Na estrada com os bombeiros numa corrida vertiginosa (2)

Na estrada com os bombeiros, numa corrida vertiginosa (2)

Quando no quartel toca a sirene, ou no telemóvel chaga o sms de alerta de emergência, os operacionais bombeiros, voluntários e disponíveis para socorrer terceiros, a adrenalina dispara e as mulheres e homens dão início a uma corrida vertiginosa contra o tempo.

Nas suas mentes foca-se um objectivo; socorrer com a maior brevidade possível, seja numa situação  de incêndio, seja numa de socorro de vida. Desmultiplicam-se em acções que passam pela preparação da equipa de socorro que avança na primeira viatura, à colocação do equipamento de proteção individual, à atribuição de tarefas.

A caminho da ocorrência tem de haver segurança

Sabendo-se que dentro da viatura os elementos vão dialogando sobre a ocorrência para a qual estão a ser recrutados, a verdade é que até lá chegarem nada podem fazer que possa ajudar a solucionar o problema, que não seja, através da sua experiência, tentar visualizar as diversas possibilidade e atribuir tarefas a cada operacional. Deste modo, conseguirão, ao chegar, ser mais eficazes.

No entanto, existe um trajecto a percorrer, que vai ser feito por entre uma multidão de viaturas, pessoas e as mais diversas situações imprevisíveis. Esta é a realidade. E os bombeiros, principalmente o responsável pela condução, deverá ter presente que, o primeiro objectivo é chegar, o segundo é conseguir fazê-lo em segurança, não apenas para o trânsito de uma forma geral, mas também para os ocupantes do seu veículo.

Se tal não acontecer, se pelo caminho aquela viatura estiver sujeita ao sinistro rodoviário, um dos objectivos, socorrer, fica anulado, podendo os outros, também, estarem condicionados, uma vez que se sabe que os bombeiros, nas viaturas de combate a incêndio, são transportados sem que façam a utilização do cinto de segurança, ou porque as viaturas não têm esse acessório ou simplesmente por que, tendo-o, o tamanho da fita é curto para o equipamento que levam vestido e montado às costas.

Já relativamente aos condutores civis, ao se depararem com uma viatura de bombeiros em situação de emergência, deverão ter um comportamento assertivo, facilitando, tanto quanto possível, a circulação fluída das viaturas dos soldados da paz. Para o fazerem, deverão encontrar um local seguro e facilitar a passagem em segurança.

Foto¦ MS