Caminhar em segurança nos passeios

Caminhar em segurança nos passeios

Portugal tem, na construção dos seus passeios, local de circulação de peões, maioritariamente o uso de pedra de calçada. Vem de longos anos a utilização deste material no sentido de embelezar as vias de circulação. No entanto, coloca-se a questão; estará o acto de caminhar bem assegurado com este tipo de material?

Muitos serão os que argumentaram que tem anos de história a utilização da pedra de calçada e que nunca se colocou essa questão. Que é uma falsa questão, uma vez que Portugal tem esta cultura na construção dos passeios e quem por lá caminha pode contemplar a beleza dos espaços.

 Os perigos que se escondem nos passeios de calçada

Quando estamos a caminhar, seja em lazer ou noutra actividade , abstemos-nos de tentar perceber os perigos que estão escondidos por debaixo de uma bela “Calçada Portuguesa”, até ao dia em que algo acontece; um pé torcido  num buraco proveniente da falta de uma pedra, de uma irregularidade nas pedras, por motivos de abatimento do solo por debaixo da pedra, ou até mesmo uma escorregadela devido ao facto da pedra molhada ser extremamente escorregadia.

Quando se projecta um passeio deve-se ter em consideração que vários são os tipos de peões que irão utilizar o espaço de passeio para caminhar. Se grande parte deles o pode fazer livremente, muitos há que têm alguma dificuldade em o praticar, nomeadamente os idosos, os invisuais e os que têm problemas de locomoção.

Os passeios em pedra de calçada não apresentam a segurança exigida à circulação de todos os peões, pelo que devem ser repensadas as vias de circulação para peões, pavimento seguro e anti-derrapante, indicação concreta a invisuais e acessos exequíveis a quem deles necessita.