Circula seguro à chuva

 

Conduzir com chuva requer mais atenção e cuidado ao abordar a estrada. Os contextos meteorológicos com pluviosidade deveriam afetam significativamente a atitude de todos os condutores. Mas nem todos tomam as devidas precauções para que sejam evitados os acidentes.

Ao conduzir em piso molhado deve ter a noção que a capacidade de aderência do pneu ao piso diminui. Assim, deve ter em consideração que ao conduzir com chuva deve aumentar as medidas de segurança. Saiba como ser um condutor que circula seguro á chuva.

Condições essenciais de segurança

Para garantir a segurança um veículo deve possuir pneus adequados e que estejam em boas condições. Confira que os sulcos ainda possuem profundidade suficiente e que o tipo de pneu é o adequado á condução á chuva. Só um pneu em condições permite escoar a água e garantir a máxima aderência ao piso.

A legislação indica como profundidade mínima legal de um pneu os 1,6 milímetros. Caso este apresente alguma deformação, desgaste anormal ou envelhecimento é recomendada a troca do pneu antes de chegar ao mínimo legal. Não esqueça que são os pneus que garantem a distribuição correta das forças de travagem e do movimento da direção.

Os elementos da suspensão também devem estar em condições, com um comportamento que permita manter os pneus em contato com a estrada e ainda assim garantir conforto aos ocupantes do veículo.

Regras de segurança e de bom senso

Apesar dos limites de velocidade existirem para serem respeitados, quando o piso está molhado a atenção á velocidade deve ser maior. Da mesma forma os movimentos aplicados no volante devem ser mais cuidadosos. As manobras devem ser efetuadas com suavidade. Evite as acelerações ou travagens bruscas.

Simultaneamente, ao reduzir a velocidade a que circula, aumenta o tempo disponível para que possa reagir de forma adequada e segura. Assim sendo, e para melhorar ainda mais as suas probabilidades de evitar acidentes, deve aumentar a distância de segurança. Assim terá mais espaço para reagir em situações imprevistas ou de emergência.

O descrito acima pode resumir-se como o uso do bom senso de cada condutor. Esta é uma boa forma de evitar problemas, quer sustos, quer envolver-se em incidentes. Não se esqueça dos mais frágeis e com mais dificuldades, os peões e ciclistas. Tenha em especial atenção aos mais idosos e às crianças.

Ver e ser visto

Ao conduzir á chuva, por norma, reduz a visibilidade. Antes de mais nada é essencial que mantenha os vidros do seu carro desembaciados. No caso dos motociclistas a viseira do capacete é a sua “janela” para o mundo, mantenha-a limpa. Estando limpa reduz a probabilidade de embaciamento.

No caso dos veículos automóveis, ainda para evitar a condensação no para-brisas ligue o ar condicionado, selecionando a opção que dirige a ventilação para o para-brisas. Sob o mesmo ponto de vista da visibilidade esteja atento ao estado das escovas dos limpa-vidros. Garanta que estão em bom estado.

Caso a precipitação seja elevada, para garantir que o seu carro é visível para os outros condutores, ligue as luzes do seu veículo. O uso dos médios em dias de chuva intensa é uma garantia de melhorar as probabilidades de ser visto, melhor que usando só as luzes de circulação diurna. Nos dias de nevoeiro ou nebulosidade, acenda as luzes de nevoeiro.

Aquaplanagem, o segundo maior inimigo

Com a precipitação surgem as poças e lençóis de água nas estradas trazendo a ameaça da aquaplanagem. A aquaplanagem é muito perigosa, mas a calma e experiência do condutor perante esta ocorrência pode fazer a diferença entre ser envolvido ou não num acidente.

Resumidamente a única forma de evitar a aquaplanagem é reduzir os dois vetores que a provocam, a velocidade e o acumular de água. Portanto, no seu controlo está um deles, a velocidade. Sempre que detetar lençóis de água na via, assegure-se que circula a uma velocidade reduzida.

Se se deparar com esta situação, e for impossível evitar a circulação por cima dos lençóis de água, mantenha uma velocidade reduzida constante, sem mudanças de direção bruscas e evite travagens fortes. Pode ler neste mais sobre este tema neste artigo.

Sistemas de ajuda á condução

Os sistemas de controlo eletrónico não podem substituir as técnicas de condução defensiva, uma manutenção adequada e o uso de pneus adequados á época. Estes sistemas funcionam utilizando sensores em cada roda, no acelerador, no travão, no volante e giroscópios. Assim , conseguem interpretar o que o condutor pretende fazer, o que está a ocorrer na realidade e atua para “forçar” o veículo a fazer o que o condutor pretende.

Sempre que circular em estradas onde a acumulação de água seja visível e as mudanças nas condições da estrada exijam um controlo constante sobre a forma como conduz, por exemplo, estradas com neve ou gelo, não utilize o “cruise control”. Com este sistema poderá não ter tempo de recuperar, de forma adequada e segura, o controlo do veículo.

Seja consciente, a chuva reduz a capacidade de travagem e de efetuar curvas e restringe a visibilidade. Depende de cada condutor adotar uma postura onde consiga controlar o veículo de forma conveniente. Tendo a capacidade de evitar se envolver em incidentes rodoviários evitáveis. Circula seguro à chuva.

Foto | Hendrik Wieduwilt