Estradas secundárias com segurança condicionada (2)

Estradas secundárias com segurança condicionada (2)

O surgimento de novos veículos no quotidiano das pessoas, essencialmente dos condutores, fez com que nos tivéssemos de adaptar a noivos conceitos de transporte e perigos envolventes. E um desses veículos foi o velocípede com motor auxiliar.

O velocípede com motor auxiliar já não é um veículo novo, uma vez que as Velosolex já têm muitos anos de vida. Acontece que, quando surgiram, era obrigatório o seu condutor ter uma licença de condução, com frequência em formação de conhecimento de regras de trânsito básicas e respectivos sinais.

Um veículo de circulação livre

Actualmente, para além dos condutores de velocípedes não estarem obrigados a um documento que os habilite a conduzir um veículo com motor, quando ocupam um lugar na estrada, também a formação dos mesmos é, muitas vezes, inexistente. São utilizadores sem qualquer conhecimento das regras e sinais de trânsito.

Assim, e não sendo obrigatória a frequência em acção de formação destes condutores, pluriferam  nas estradas portuguesas, principalmente em meios rurais, este tipo de viaturas. Acontece que são utilizadas por pessoas que, anteriormente, utilizavam os velocípedes a pedais.

Assim, os condutores que utilizam, essencialmente, estradas secundárias, devem manter-se atentos ao surgimento deste tipo de veículos, uma vez que ocupam um espaço na via, que lhes pertence, é verdade, mas que são conduzidos em muitos casos por alguém sem formação adequada.

O transporte de mercadorias

Outro dos problemas proporcionados por estes condutores, que se deslocam nestas viaturas, é o facto de muitos deles não efectuarem o transporte das suas mercadorias de acordo com a legislação em vigor. Fazem-no em sacos pendurados no guiador, que altera o equilíbrio do veículo e dificulta a definição da trajectória.

Para que esse equilíbrio não seja condicionado e dessa forma o condutor não tenha de alterar constantemente a sua linha de circulação, esse transporte de mercadoria deverá ser realizado em caixa própria para o efeito.