Nos meios rurais, o perigo espreita a cada metro.

Nos meios rurais, o perigo espreita a cada metro

Existem, por este Portugal fora, milhares de quilómetros que atravessam estradas municipais, muitas delas rurais. Estradas essas onde o tráfego automóvel, em bastantes desses casos, é maioritáriamente efectuado por veículos agrícolas ou de apoio às funções da agricultura.

O que acontece muitas vezes, a maior parte das vezes, talvez, é que essas estradas não se encontram providas de espaço adequado ao trânsito de peões, grande parte dele composto por pessoas idosas e de dificuldade mobilidade.

Cuidados acrescidos em espaço rural

Sabe-se que nos meios rurais as pessoas se conhecem todas. Conhecem-se e sabem, grosso modo, os hábitos de cada uma. Isto faz com que, em determinado espaço, cada um já tenha gravado no seu subconsciente o que poderá ou não acontecer, a determinada hora.

Uma vez que isto acontece, é pouco provável e até admissível que um cidadão que é utilizador de um determinado meio rural, conhecedor de diversas rotinas, possa reagir adequadamente à sua segurança rodoviária, enquanto peão, se, naquele momento,  o seu “relógio de rotina” não o alertar para um acontecimento e acontecer outro não espectável pelo próprio. A sua reacção vai ser tardia e provavelmente errada.

Ou seja, um cidadão que circula numa determinada estrada rural onde habitualmente circulam tractores agrícolas a determinadas horas, deixa de estar alerta no atravessamento da faixa de rodagem ou até mesmo na sua circulação, se estivar abrangido fora desse horário. No entanto, se lhe surgir um automóvel, que não esteja abrangido pela rotina, ele não lhe vai dar a atenção desejável.

Logo, a sua reacção à presença daquele estranho poderá ser aquela que não se enquadra com a segurança rodoviária desejável. Se a este principio associarmos o facto das pessoas com maior idade já serem alvo de diminuição de capacidade sensorial (visão e audição, essencialmente), o problema agrava-se, aumentando o perigo.

Deste modo, cabe-nos a todos nós, condutores, aumentarmos a nossa atenção rodoviária, não apenas quando circulamos nos espaços habituais, mas essencialmente, quando circulamos em locais pouco habituais e onde sabemos poder vir a encontrar peões idosos. Desta forma diminuiremos o perigo inerente e o factor surpresa.