O que são estradas autoexplicativas? Têm vantagens?

As estradas autoexplicativas induzem nos condutores a perceção de qual o comportamento correto que devem adotar.

A rede rodoviária é composta por um conjunto diversificado de tipos de estrada, incluindo autoestradas, arruamentos em zonas residenciais e outros tipos intermédios de estradas ou arruamentos.

Segundo o conceito de estrada auto-explicativa, “será possível configurar a infraestrutura rodoviária para que os condutores (e eventuais peões) que nela circulem consigam reconhecer o correspondente tipo de estrada e sejam condicionados a adaptarem a velocidade de circulação às condições locais”, dá conta a Prevenção Rodoviária Portuguesa (PRP), num documento que usamos como base para este artigo.

Aparência da estrada

A experiência de diversos países europeus – como o Reino Unido, a Holanda, a Dinamarca, a Suécia e a França – demonstra que, através da utilização de princípios de traçado homogéneos e coerentes e de intervenções na aparência da estrada (que diminuem a variabilidade de traçados), é possível influenciar o comportamento dos condutores em zonas quer urbanas quer rurais (interurbanas), embora nestes casos em menor grau.

Refere a PRP que o conceito de “estrada auto-explicativa” fundamenta-se na noção, de que, através da experiência de condução, os condutores adquirem expectativas “de longo prazo” (a priori) acerca da envolvente rodoviária, as quais estão organizadas em função de categorias de estradas (por exemplo autoestrada ou rua residencial) ou de segmentos de estrada (por exemplo, rotunda, intersecção, curva ou passagem estreita).

“Uma estrada auto-explicativa contém um conjunto de características de projecto e de equipamentos que cria nos condutores a expectativa adequada não só quanto aos comportamentos de condução que ele deve adotar, mas também relativamente aos comportamentos que os outros condutores apresentarão”, explica a PRP.

Em teoria, numa estrada auto-explicativa seriam desnecessários sinais de limite de velocidade ou de perigo – exceto para condutores recém-encartados ou estrangeiros.

Tarefa progressiva

Os especialistas da PRP salientam, contudo, que, “tendo em conta que grande parte da rede rodoviária já está construída, a obtenção de uma rede rodoviária auto-explicativa é uma tarefa a ser executada progressivamente, mediante intervenções continuadas de remodelação da rede existente”.

“A adaptação da rede rodoviária ao novo paradigma, caso este seja adotado como orientação estratégica nacional, terá de ser realizada durante um período de tempo consideravelmente longo, atendendo ao elevado investimento que acarreta”, lembra a PRP que deixa outro alerta: “A consideração dos fatores humanos no projeto destas intervenções é essencial para se obterem os resultados pretendidos; vários estudos demonstraram que podem ser induzidos comportamentos indesejáveis se os condutores acreditarem que podem circular mais depressa do que o limite de velocidade, mesmo quando reconhecem o tipo de estrada e o distinguem de outros tipos”.