Uma passadeira que proporciona perigo de morte

Uma passadeira mortal

Hoje apraz-me trazer a este espaço de escrita uma situação que ocorre na Estrada Nacional 111, na localidade de Caceira no concelho da Figueira da Foz. Esta é uma situação igual a milhares de situações por esse Portugal fora, portanto, irá servir como exemplo ao que vai mal em tantas estradas nacionais.

Apesar de ser apenas uma passadeira de algumas que existem nesta estrada nacional, esta está situada num ponto desta localidade onde o fluxo de peões é elevado, em determinadas horas do dia, nomeadamente de manhã e ao final da tarde.

O perigo da passadeira e a solução

Se formos avaliar a passadeira ao longo do dia, ela não apresenta muitos problemas, apesar do fluxo de trânsito e da tipologia dos veículos que atravessam aquela localidade. No entanto, à noite, o problema é elevadíssimo.

A estrada nacional 111, ao fazer a ligação entre a Figueira da Foz e Coimbra, atravessa muitas localidades, obrigando a que os peões que nela circulam corram riscos de morte. Ou porque não existem passeios, falaremos disso noutro artigo, ou porque a iluminação e as marcações da via são débeis ou inexistentes.

Mesmo a imagem apresentando a marca rodoviária, passadeira, devidamente pintada e bem visível, a verdade é que actualmente essa não é a realidade. Actualmente esta passadeira apresenta-se com a tinta muito desgastada, invisível durante a noite, podemos afirmar.

Acontece que a iluminação pública que existe nesta via é débil, o que faz com que a visibilidade seja muito precária, não se conseguindo, muitas vezes, principalmente em condições de chuva, ter a percepção da existência de peões. O risco é elevado, mesmo a velocidades mais reduzidas.

As soluções possíveis na resolução do problema

Sabendo-se que durante a noite, principalmente em condições de chuva, se torna mais difícil aos condutores perceberem a presença de determinados obstáculos, seria muito interessante se as autarquias, através dos seus departamentos de trânsito, desenvolvessem estratégias para diminuir a sinistralidade rodoviária.

Uma vez que se exige que os peões utilizem a passadeira para efectuar a travessia da via, deve ser exigível que tenham disponível as melhores condições de segurança, nomeadamente espaços bem visíveis e correctamente iluminados.

Tal como fez junto à Escola João de Barros, e muito bem, também a autarquia figueirense deveria equipar todas as passadeiras do concelho que se encontram em situação de deficiente visibilidade, com iluminação que proporcione perceber a existência de peões, assim como efectuar uma manutenção periódica à pintura das mesmas.

Foto¦ Google Maps