Uma passagem no túnel

No túnel

Ao longo dos quilómetros que vamos percorrendo na nossa vida de condutores, muitas vão ser as vezes em que nos vamos deparar com passagens que se encontram identificadas como sendo uma passagem no túnel e outras que, não o sendo, são muito idênticas

Em Portugal existe, em muitas situações, um exagero na atribuição de classificação aos locais. Esse exagero passa algumas vezes pelas instituições oficiais, no entanto grande parte das vezes, tal exagero é produzido pelo comum condutor e deve-se à falta de informação actualizada. Afinal, nem tudo o que parece é.

O túnel que não é túnel

À entrada de Coimbra, junto da estação de comboios de Coimbra B, existe uma passagem estreita para os automóveis que é complementada com uma passagem superior para o caminho de ferro.  Esta associação de vias a níveis diferentes, provoca, para o transito rodoviário, uma extensão de caminho que se assemelha a um túnel.

Popularmente este espaço é chamado de túnel, no entanto na verdade não o é, principalmente porque não se encontra sinalizado como tal. Na realidade, ali, nada mais se passa do que uma passagem estreita devidamente sinalizada e onde os condutores devem respeitar a sinalização presente.

Legislação na travessia, mas não só

Segundo o código da estrada, ao circular num túnel os condutores deverão ligar as luzes de cruzamento para poderem ter luminosidade afim de conseguirem alguma visibilidade, principalmente se a luz artificial do próprio túnel falhar.  Desta forma o condutor não ficará condicionado, tempo algum, na sua visibilidade.

No entanto, não deve apenas nos túneis sinalizados como tal, o condutor circular de luzes acesas. No caso de Coimbra, por exemplo, é preponderante que o condutor circule com as luzes de médios acesas, quando aborda e atravessa dito local, uma vez que a diferença de luminosidade do interior para o exterior é de tal ordem que cria um efeito de contra-luz.

Este efeito de contra-luz, muitas das vezes não permite vislumbrar obstáculos ou afecta a visão estereoscópica, não permitindo perceber a distância e movimento dos veículos, seja no mesmo sentido, seja em sentido oposto ao do condutor.