17 chaves para tornar eficaz a educação dos condutores

André Gomes

20 March, 2020

A educação dos condutores é chave para uma estratégia de sucesso no combate à sinistralidade rodoviária. A Fundação MAPFRE está empenhada nisso.

A educação dos condutores é um tema recorrente no Circula Seguro. Não são poucas as iniciativas de grupos e instituições nacionais e internacionais de que damos eco. No entanto, esse interesse responde a uma realidade: a falta de um critério comum e uma estrutura que integre a educação do condutor nos currículos nos diferentes países. Em resposta, a Fundação MAPFRE e outras entidades prepararam um documento.

Esforços governamentais para educação de condutores

condutores

O documento Key Principles for traffic safety and mobility education (“Princípios-chave para a segurança rodoviária e a educação para a mobilidade”) é um relatório produzido pelo projeto LEARN! (Leveraging Education to Advance Road Safety Now!). Os autores que acompanham a Fundação MAPFRE são o Conselho Europeu de Segurança nos Transportes (ETSC) e a Fundação Flamenga de Conhecimento Rodoviário (VSV). Essas entidades também foram apoiadas por um painel de especialistas de nove países diferentes.

Essas entidades e especialistas reconhecem o compromisso dos governos dos diferentes países em desenvolver programas de educação para condutores. Isso foi endossado em inúmeras ocasiões nas últimas décadas, desde a Convenção de Viena de 1986 até a Declaração de Valletta de 2017. No entanto, os membros do LEARN! alertam que esses programas de educação para condutores foram desenvolvidos e implementados de maneira muito diferente em distintos países, especialmente na Europa, o que impediu o estabelecimento de um padrão ou estrutura comum.

Por esse motivo, os autores do relatório desejavam desenvolver uma série de recomendações que podem ser aplicadas independentemente das peculiaridades de cada país e que podem servir de base para o estabelecimento de uma estratégia comum para todo o continente. Essas recomendações são acompanhadas de histórias de sucesso de ações já realizadas em diferentes países, como as realizadas pela Fundação MAPFRE em todo o mundo.

Princípios fundamentais para a educação do condutor

condutoresAs recomendações dos especialistas do projeto LEARN! constituem em si uma série de princípios fundamentais para a correta implementação da educação de condutores em centros educacionais. Esses princípios foram agrupados em cinco grupos que definem as principais linhas para garantir o sucesso das políticas educacionais em segurança rodoviária.

  1. Garantir o direito à educação rodoviária e à mobilidade
  2. Educação contínua e progressiva de crianças até aos 18 anos.
  3. Incluir um número mínimo de horas de educação do condutor no currículo da escola.
  4. Estabelecer objetivos específicos para cada nível educacional, a fim de avaliar as estratégias de governos e escolas.
  5. Destinar recursos financeiros e materiais suficientes nos níveis nacional, regional e local.

Envolver e apoiar escolas

6. Envolver e apoiar os diretores dos centros educacionais na implementação da educação do condutor.
7. Motivar as escolas a implementar políticas de mobilidade e segurança rodoviária.
8. Designar um professor em cada escola como coordenador das medidas de educação rodoviária e como contacto para pais e instituições.
9. Fortalecer as competências dos professores e apoiá-los para que se sintam confiantes no seu trabalho de ensino.

condutores

Garantir a educação de qualidade do condutor

10. Garantir a aquisição de conhecimentos e capacidades e a mudança de atitude e motivação nos alunos.
11. Oferta de educação rodoviária atualizada, tanto em conteúdo quanto em metodologia.
12. Aplicação dos mesmos requisitos de qualidade à educação do condutor como às restantes disciplinas ensinadas na escola.
13. Realizar avaliações de cada atividade que permitam a melhoria contínua.
14. Avaliar os alunos e permitir que eles também se autoavaliem.

Facilitar o quadro de condições

15. Usar material interdisciplinar que permita que a educação do condutor seja incluída noutros assuntos.
16. Formar em educação rodoviária os candidatos a encartados durante as aulas práticas.
17. Acompanhamento dos processos por parte das autoridades locais e nacionais, para garantir que as medidas de educação rodoviária sejam implementadas corretamente nos centros educacionais.

Envolver toda a sociedade

18. Envolver alunos, pais, grupos e autoridades na educação viária, entendida como uma responsabilidade compartilhada por toda a sociedade.

Fundação MAPFRE como exemplo de educação rodoviária

Como dissemos, a Fundação MAPFRE foi uma das partes mais envolvidas na preparação deste documento. O seu programa Road Safety Education Programme, pelo qual foi premiado com a Carta Europeia de Segurança Rodoviária, deu origem a inúmeras ações que podem ser replicadas em outros países. Para isso, a Fundação MAPFRE publicou no seu site uma enorme quantidade de material educacional gratuito para instituições e professores.

No documento LEARN! algumas dessas ações desenvolvidas são mencionadas. No âmbito do fortalecimento das competências dos professores, são citados os guias para professores que a Fundação MAPFRE preparou para diferentes faixas etárias do aluno (de 3 a 16 anos). Além disso, no que diz respeito ao uso de metodologias atualizadas, é feita referência ao projeto de realidade virtual da Fundação MAPFRE junto à Câmara Municipal de Madrid. Nesta atividade, os utilizadores podem experimentar os perigos aos quais os ciclistas são expostos todos os dias.

O documento também se refere à necessidade de alocar recursos financeiros, entre outras coisas, para monitorizar e avaliar a eficácia e os resultados das medidas tomadas. A Fundação MAPFRE destina 5% do seu orçamento de programa para auditar as diversas ações realizadas. Como amostra, essas auditorias revelaram que, nas escolas em que os alunos praticamente não usavam cinto de segurança, o número de utilizadores conseguiu subir para 70%.

Imagens| Unsplash: Oliver HaleJasper GarrattSamuel TohNational Cancer InstituteEdvin Johansson.

--

Uma iniciativa da: