Câmaras para monitorizar a utilização de telemóveis ao volante

Redacción Circula Seguro

21 de Junho de 2022

As distrações já são a principal causa de acidentes rodoviários em toda a Europa, o que representa um enorme desafio para as autoridades de trânsito e de segurança dos condutores. Atualizar o perfil nas redes sociais, utilizar o WhatsApp ou consultar o correio eletrónico,  são-se comportamentos muito comuns para alguns condutores. 

A tecnologia passou a ser numa excelente aliada para controlar esta crescente tendência. Em primeiro lugar, os próprios fabricantes de veículos incorporaram em muitos dos seus modelos um modo “não perturbar”, que é ativado assim que sentamos no carro. Para além, a utilização do Android Auto ou Carplay também tornou-se mais generalizada. Também é importante ter em conta que a utilização do telemóvel sem mãos enquanto conduzimos, reduz drasticamente a atenção ao volante: 36% por telefonema informal, 40% stressante e 53% WhatsApp.  

Câmaras de última geração 

Mas, o que acontece ao controlar e sancionar comportamentos tão perigosos? Novamente, a tecnologia está a ser posta ao serviço da segurança, através da instalação de câmaras, tanto fixas como móveis, que permitem capturar os condutores que utilizam estes dispositivos. A Austrália foi um dos primeiros países a instalá-los nas suas estradas. Especificamente, na cidade de Nova Gales do Sul, durante os primeiros três meses da sua instalação, os condutores registados por uma câmara de deteção de telemóveis receberam uma carta de aviso. Depois vieram as coimas, de 300 euros, quase 500 ao conduzir numa zona escolar. Além da perda de entre 5 e 10 pontos da sua carta de condução. 

Conscientização popular 

As autoridades australianas afirmam que as câmaras estão a ajudar a evitar um número muito elevado de acidentes graves e mortais. Evidentemente, 80% dos entrevistados aprovam a utilização destas câmaras para impedir a utilização ilegal de telemóveis. 

Mas não é necessário viajar até a Austrália para encontrar tais câmaras de última geração. Em Espanha, onde já existiam câmaras a controlar a utilização do cinto de segurança, estas foram atualizadas para detetar uma infração. Neste caso, a coima é de até 200 euros e retirada de seis pontos. As imagens captadas são enviadas ao Centro de Tratamento de Denúncias Automatizadas. Um software analisa as imagens e filtra aquelas que podem ter uma sanção. Estas últimas são verificadas manualmente para garantir que não há erros e proceder ao seu processamento, se aplicável. 

Coimas mais severas 

Por enquanto, estas câmaras não chegaram a Portugal, mas a tendência é que cada vez existam mais procedimentos e instrumentos de controlo para evitar estas distrações, que podem ter consequências terríveis. Lembre-se que as coimas por utilização do telemóvel ao volante em Portugal duplicaram recentemente, e podem variar entre 250 e 1.250 euros, para além da retirada de três pontos da carta de condução, que anteriormente eram dois pontos.

Três formas de distração 

Lembre-se: enviar mensagens ao volante ou interatuar manualmente com o GPS do carro em rota multiplica por 23 o risco de sofrer um acidente, já que esta atividade reúne as três formas de distração:  

  • Distração visual: os olhos estão a ler no ecrã do smartphone e deixam de olhar para a estrada, pelo qual perdemos o controlo de qualquer situação inesperada.  
  • Distração cognitiva: a mente está em plena atividade, a pensar no texto da mensagem e não pode concentrar-se no que está a acontecer durante a condução.
  • Distração manual: os dedos estão a digitar os botões correspondentes aos caracteres da mensagem, pelo que não estão a segurar o volante. 

Etiquetas

Mais smart