Atenção! Os acessórios para cadeirinhas podem ser mais perigosos que pensa

Um gesto que protege os mais pequenos. Use de forma adequada as cadeirinhas.

No Circula Seguro, lidamos com a maioria dos aspetos em relação aos sistemas de retenção para crianças. Essas cadeirinhas são uma dor de cabeça entre muitos pais e mães que não conseguem decidir sobre o modelo mais apropriado para seus filhos.

Os progenitores discordam nas escolhas, até sobre quais os materiais mais confortáveis. E mais importante, sendo inconscientes sobre a importância de uma instalação adequada. Mas agora vem a última das controvérsias: os acessórios das cadeirinhas.

Acessórios para as cadeirinhas: conforto ou risco?

Muitas empresas encontraram um bom nicho na produção e venda de acessórios que melhoram o conforto e a segurança dos sistemas de retenção para crianças. Alguns desses componentes permitem adaptar as cadeirinhas obsoletas às condições naturalmente evolutivas das crianças. Permitindo alongar o uso da cadeirinha com o aumento da idade, altura e peso e, assim, prolongar a vida útil do equipamento. Sem dúvida, um erro que coloca a segurança em cheque se não for feita uma escolha responsável de acessórios, materiais e ganchos.

As cadeirinhas devem garantir a proteção às crianças também quando adormecem

Os fabricantes aprovam apenas os acessórios que eles mesmos testaram com suas cadeiras, portanto, é muito possível que o mesmo acessório não sirva da mesma maneira em outros modelos de cadeirinhas, pois foram projetados exclusivamente em relação aos exemplares do próprio fabricante. Esses acessórios oferecem uma suposta melhoria na segurança e no conforto, mas devem ser usados com bom senso.

Tomemos o caso de uma criança de cerca de 7 anos acostumada a uma cadeira de menor idade que tenha uma cobertura cervical, mas que já esteja pequena. Ao crescer, essa proteção está desatualizada e a criança se queixa de dor no pescoço a cada viagem. Uma solução possível que poderíamos avaliar é usar uma almofada em forma de U, mas nada está mais longe da verdade: em caso de colisão, a almofada será pressionada expondo o pescoço a possíveis esforços excessivos frontais e laterais.

Tipos de acessórios que podemos encontrar no mercado

Os acessórios podem melhorar o conforto das cadeirinhas

Os acessórios foram recentemente divididos em quatro categorias principais, de acordo com sua função, entre as quais encontramos diferentes modelos e componentes:

Para ajudar a dormir e melhorar o conforto: encontramos apoio para a cabeça, com fecho adesivo, que mantém a cabeça da criança na posição vertical; cintos adicionais para elevadores de assento com encosto; e encosto de cabeça com tiras que seguram a cabeça na cadeirinha quando a criança adormece.

Para evitar a remoção do cinto de segurança: são aqueles com fecho “Anti Fuga” que dificultam a criança de puxar os braços, com fecho no cinto; também encontramos o gancho para o peito; e tampas plásticas para bloquear o botão do cinto de segurança ou os ajustes destes. Em alguns casos, eles violam os regulamentos.

Para melhorar a climatização do assento: existem dois tipos, dependendo da estação. A primeira é a cobertura de verão que reduz a absorção de calor, mas oculta o sinal de aviso obrigatório do airbag; o segundo é a bolsa de inverno que é colocada na alcofa e é uma alternativa às roupas quentes.

Para melhorar a geometria do cinto: existem, por exemplo, as guias que aperta ao redor do encosto do banco (LifeHammer); área acolchoado na área abdominal onde os cintos horizontais e diagonais se encontram; ganchos adicionais que facilitam a fixação; e adaptadores “RiveMove” que aproximam a cadeira da porta para aumentar o espaço entre os assentos.

Como devem e não devem ser os acessórios

Os acessórios podem melhorar a segurança e o conforto dos mais pequenos, mas também podem representar possíveis riscos que devem ser evitados. Portanto, a primeira conclusão que tiramos é que eles sempre devem ser comprados na loja original onde a cadeira foi comprada. Além disso, é aconselhável consultar o especialista e saber se podem ser instalados e se são compatíveis com o nosso veículo e com as circunstâncias da criança.

Só com um sistema de retenção adequado consegue garantir a melhor segurança aos mais frágeis

Existe um certo vazio legal em relação aos acessórios e, em muitos casos, os regulamentos não podem ser aplicados a cada um deles, embora a condição indispensável deva sempre ser sua aprovação. Vamos esquecer os acessórios comprados em “segunda mão” e nunca compre acessórios sem testar antes.

Os sistemas de retenção para crianças são regulamentados pelas normas ECE R44 / 04 e i-Size. Entre outras coisas, há instruções sobre as características específicas dos fechos (vermelho e desbloqueáveis em uma única operação em caso de acidente); o tipo de cobertura (que dê visibilidade ao sinal de alerta do airbag no canto superior esquerdo); e questões relacionadas aos materiais de fabrico em relação à sua inflamabilidade e toxicidade.

É sempre recomendável que qualquer acessório relacionado com os sistemas de retenção para crianças tenha um sistema Isofix e seja avaliado positivamente nesses quatro grupos: segurança, facilidade de uso, ergonomia e substâncias nocivas. Eles também devem ser classificados de acordo com as diferentes faixas etárias: até ao ano e meio; até 4 anos; e até 12 anos.

Original | Carlos Rodriguez Vidondo
Fotos | iStock artursfoto CocoSan splendens Mikumi