Coronavírus: uma descida de poluição tão excecional como perigosa

Ines Carmo

3 April, 2020

A crise atual causada pelo novo coronavírus (CoVid-19) e a declaração do estado de emergência fez com que houvesse uma diminuição histórica no trânsito e nas emissões contaminantes. As estações de monitorização da qualidade do ar, tanto em Madrid, Barcelona ou também em Lisboa vêem os números a descer a um ritmo frenético, tal como já tinha acontecido na China. Um sonho, no meio de um pesadelo.

A questão é que não é necessariamente uma questão positiva. Primeiro porque é uma situação transitória, longe da normalidade e com consequências devastadoras a longo prazo. O segundo motivo, de que falam os especialistas é a possível retoma da poluição que futuramente advirá.

Além disso, e como acontecerá em tantas outras frentes económicas, vai atrasar o desenvolvimento de uma mobilidade sustentável com a qual já nos íamos comprometendo. Contudo, vejamos até que ponto se está a produzir uma descida real de emissões.

Quanto diminuiu o trânsito devido ao coronavírus?

De acordo com os dados da DGT espanhola, o trânsito nas estradas do país vizinho diminuiu em cerca de 70%. O impacto do coronavírus nota-se nas cidades que tinham esta semana grandes avenidas sem carros a circular.

Segundo o jornal Expresso, “tanto em Lisboa como no Porto, o número de utilizadores ativos do Waze durante a hora de ponta caiu quase 90% em duas semanas”.

A forte quebra do tráfego resulta do dever de recolhimento e do fecho da maioria das atividades comerciais, o que tem, segundo a plataforma de mobilidade urbana Moovit, citada pelo site www.dinheirovivo.pt, “mais impacto nos transportes públicos da cidade do Porto do que em Lisboa”. Tendo como comparação o dia 15 de Janeiro, “no Porto, até quarta-feira, 25 de março, a quebra dos transportes públicos foi de 81,4%”, enquanto que em Lisboa a quebra foi de “72,8%. Em comparação com as duas principais cidades espanholas (Madrid e Barcelona), Lisboa é a cidade que sai menos penalizada nas contas da Moovit. Em sentido contrário, a capital espanhola foi a que registou maior descida nos transportes públicos, tendo deixado de circular 86,4% dos veículos que habitualmente utilizam as estradas de Madrid”.

Os dados da Área de Meio Ambiente e Mobilidade da Administração Regional de Madrid – cidade que sofre de forma grave esta situação – dão conta de que:

  • A 13 de março se constatava uma descida de 23,7% do trânsito no interior da circular M-30; 25,6% na própria M-30; 33,4%, nos arredores.
  • A 17 de março a quebra foi até aos 64% no interior da M-30; 59,6% na M-30; e 63% nos arredores.
  • A 19 de março consolidou-se a descida, ao registar-se menos 69,2% de trânsito na área interior da circular; 65,3 % na própria M-30 e 64,7% nos arredores.

Pandemia obriga a compensar concessionárias de autoestradas

A CoVid-19 já está a provocar ainda mais despesas ao Estado, especialmente no que toca aos contratos com as concessionárias das auto-estradas. De acordo com o Jornal de Negócios, estas “já estão a notificar o Estado da ocorrência de um caso de força maior, como é a pandemia. Uma cláusula dos contratos que as exonera de responsabilidade em caso de incumprimento e lhes garante a reposição do equilíbrio financeiro”.

Descida histórica das emissões poluentes

coronavirus

Os números anteriores tiveram um impacto direto na qualidade do ar. Todas as estações de medição de agentes poluentes da capital espanhola notam que as emissões desceram a pique. No caso das medições, há outras variáveis que influenciam de forma determinante outras variáveis como o clima. A descida foi ainda mais acentuada porque este último fator o proporcionou.

Os cinco distritos de Madrid ostentaram, durante os cinco dias da primeira semana de confinamento, uma situação do ar, qualificada como «muito boa».

Estes níveis podem ver-se claramente através das imagens dos satélites da Agência Espacial Europeia (ESA), em concreto para o sul do continente, comprovando-se que antes de Madrid, o ar do Norte de Itália viveu a mesma situação.

A estimativa para Espanha é que a qualidade do ar tenha melhorado em 35% (na China a redução foi aproximadamente de 25%). Não só em Madrid se notou a descida. Também em Barcelona, de acordo com a informação publicada pela Generalitat, o dióxido de nitrogénio no ambiente também se reduziu a metade em apenas três dias.

Coronavírus: Situação em Lisboa

O Correio da Manhã aponta que os níveis de poluição na Avenida da Liberdade, em Lisboa, “tiveram na última semana uma redução de 60% em relação ao período homólogo, registando-se as concentrações mais baixas dos últimos sete anos, segundo um estudo da Universidade Nova”.

Entender a descida a longo prazo

coronavirus

Toda esta situação fez com que as cidades suspendessem as diferentes medidas anti-poluição porque, com este panorama, é necessário repensar este tipo de recursos. Assim, o concelho de Barcelona suspendeu as multas relacionadas com as áreas de prioridade e a poluição.

A crise sanitária está a afetar a mobilidade em áreas diferentes. Em termos de poluição, já está provado que o coronavírus purificou o ambiente de agentes provenientes do transporte. Estes supõem um perigo para a saúde pública. São causadores de mortalidade e vários outros problemas.

Ainda assim, estas diminuições temporais no trânsito e nas emissões provocadas pela crise sanitária não perdurarão, nem irão resolver os problemas da qualidade do ar nos anos que aí vêm.

O risco do efeito de retorno

As prioridades de saúde pública mudaram em poucas semanas. Devido a isto, a poluição vai estar em segundo plano durante um grande período de tempo. A anterior crise económica dá-nos uma previsão do que poderá acontecer. Enquanto durou, também se reduziram emissões. Ainda assim, logo que amainou a tempestade, ficou patente um efeito de retorno que elevou os níveis de contaminação.

Assim o demonstram, por exemplo, as emissões de dióxido de carbono (CO2) libertadas para a atmosfera no mundo, entre 2008 e 2011. Estas estão muito relacionadas com o transporte e servem para medir o seu nível de atividade. A descida causada pela crise económica em 2009 esfumou-se em 2010 com uma nova e crescente tendência.

Segundo o secretário geral das Nações Unidas, António Guterres, o vírus não é uma solução para fazer frente às alterações climáticas. O próprio afirma que não se “sobrestime” a forma como a epidemia irá reduzir as emissões. De qualquer modo é um problema que terá de esperar para ser resolvido.

Fonte: CirculaSeguro.com

Imagens | iStock/JJFarquitectos, iStock/Alexander Shelegov, iStock/BrasilNut1 e iStock/donvictorio

 

--

Uma iniciativa da: