Dia 17 de novembro é Dia Mundial em Memória das Vítimas na Estradas

O Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada é assinalado domingo, 17 de novembro. Momento para lembrar todos os que perderam a vida na estrada.

A Federação Europeia de Vítimas da Estrada – FEVR iniciou em 1995 a celebração anual do Dia Europeu em Memória das Vítimas da Estrada. Em 2002, o então Papa em exercício João Paulo II, perante o aumento exponencial do número de vítimas de desastres rodoviários no planeta, promoveu a transformação deste Dia Europeu em Dia Mundial.

 

Em 2005, a Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU) aprovou em Resolução a adoção oficial por parte da ONU do Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada.

O Dia Mundial em Memória das Vítimas da Estrada é lembrado todos os anos ao terceiro domingo de novembro.

Este ano, a data é assinalada no domingo, 17 de novembro.

Em 2019, o mote do dia é “Life is not a car part”, algo como a vida não é como uma peça de um automóvel que se parte ou danifica e pode ser substituída. Uma vida não!

Esta efeméride é um momento dedicado à memória dos milhões de pessoas que perderam a vida ou ficaram ferias, por vezes com gravidade e enormes sequelas para o resto da vida, em sinistros de viação em todo o globo.

A organização da celebração em Portugal tem sido assegurada desde 2004 pela “Estrada Viva – Liga contra o Trauma”, em colaboração com as entidades oficiais portuguesas.

“O espírito desta celebração é de que a evocação pública da memória daqueles que perderam a vida ou a saúde nas estradas e ruas nacionais significa um reconhecimento, por parte do Estado e da sociedade, da trágica dimensão da sinistralidade, e ajuda os sobreviventes a conviver com o trauma de memórias dolorosas resultantes de acidentes rodoviários. A morte e lesão por acidente de viação são ocorrências repentinas, violentas e traumáticas, e o seu impacto duradouro, por vezes, permanente. A cada ano, milhões de enlutados e vítimas de todo o planeta juntam-se aos muitos milhões que já sofrem em resultado de acidentes de viação”, afirma a organização “Estrada Viva – Liga contra o Trauma”.