O que é e como é construído um conversor de binário

Ricardo Carvalho

25 May, 2020

Um conversor de binário é o componente chave no universo das caixas automóveis.


Sabe porque que partes é composto?

A caixa de velocidades é a segunda ligação mais importante da cadeia cinemática de um veículo automóvel e encarrega-se de entregar ao motor o binário suficiente para que se movimente. Existem caixa de velocidades manuais e caixas automáticas de diferentes tipos, dimensões e número de relações em função do veículo onde seja montada a caixa.

Para que o binário do motor seja transmitido à caixa de velocidades, é preciso um elemento chamado embraiagem, que é utilizado em carros de caixa manual. O mecanismo utilizado nas caixas automáticas de conversor de binário e que substitui a embraiagem é o conversor hidráulico de binário e faz a ligação entre a caixa de velocidades e o motor.
O conversor de binário é, basicamente, uma embraiagem hidráulica evoluída que permite graduar a combinação binário/velocidade de acordo com as necessidades do veículo, sendo um conjunto de embraiagem e caixa de velocidades: embraiagem porque cumpre precisamente essa função e caixa de velocidades porque é capaz de multiplicar o binário
Neste sistema não existe uma união mecânica entre a cambota e o eixo primário, porque se aproveita da força centrífuga que atua sobre um fluído (óleo) que existe no interior do conversor.
Que elementos formam um conversor de binário

Esquema conversor

Um conversor hidráulico de binário é constituído pelos seguintes elementos:

Bomba: está unida solidariamente ao volante de inércia através da carcaça do conversor. Esta gira na mesma cadência (leia-se rotações) do motor e tem a função de impulsionar o óleo contra a turbina.

Turbina: está engrenada no eixo de entrada da caixa de velocidades ou eixo de turbina e recebe óleo impulsionado pela bomba através das suas pás que a obrigam a girar.

Reator ou estator: está montado entre a bomba e a turbina e dispõe de um mecanismo de roda livre que lhe permite girar livremente quando a velocidades de rotação da bomba e da turbina são idênticas. Todavia, nunca giram à mesma velocidade.
Embraiagem anulador do conversor de binário: elimina a patinagem do conversor de binário de uma forma regulada, de tal forma que pode ser acionada em qualquer relação de caixa, a qualquer regime e a partir de uma determinada temperatura de funcionamento (aproximadamente 40º). Consiste numa embraiagem de frição unida ao arrastamento da força, que transmite o movimento ao conversor desde a sua carcaça. Permite três posições:

– Embraiagem aberta
– Embraiagem em ciclo de regulação
– Embraiagem fechada

Embraiagem fechada

Ao fechar a embraiagem anuladora, transmite-se o binário do motor sobre a roda da turbina. O óleo que utiliza o conversor hidráulico de binário é refrigerado através de um circuito incorporado na caixa de velocidades automática e não existem avarias graves e se se respeita a manutenção da mesma. Não respeitar as recomendações do fabricante da caixa de velocidades pode levar a problemas no conversor.

Fonte: ZF

--

Uma iniciativa da: