Por que é que custa menos manter um carro elétrico do que um convencional?

Ines Carmo

8 de Abril de 2021

Se estamos a falar das vantagens económicas dos carros 100% elétricos, a primeiro que é geralmente considerada é a grande poupança de combustível. No entanto, este não é o único ponto a ter em conta. Dada a natureza da sua mecânica, um dos seus pontos fortes reside na manutenção de um carro elétrico.

As dúvidas sobre os carros elétricos continuam a ser comuns entre os condutores que planeiam comprar estes veículos. Se as melhorias nos seus percursos elétricos e na sua autonomia convidam cada vez mais condutores a aderir a este tipo de mobilidade, algo mais complexo é a questão dos custos.

O preço dos automóveis elétricos, embora mantenha uma tendência clara de descida, continua a ser muito superior ao dos seus equivalentes térmicos. Isto significa que um carro elétrico, no fim da sua vida, é mais caro? Não tem que ser. Depende de uma série de fatores, relacionados com o custo total de propriedade ou TCO.

Dependendo das nossas necessidades de mobilidade, um modelo totalmente elétrico pode ter sucesso com ampla vantagem sobre um convecional em termos de poupança. Uma das vantagens em que os seus defensores mais defendem é a manutenção de um carro elétrico.

Keep it simpleelectric

elétrico

A poupança na manutenção de um carro elétrico baseia-se no facto de os carros 100% elétricos montarem uma mecânica muito mais simples do que qualquer modelo com motor térmico.

Há décadas que os automóveis de combustão melhoram a tecnologia que, de base, tem um teto muito definido. Os especialistas estimam que os motores de combustão interna tenham uma eficiência global de 25%, enquanto no carro elétrico esse mesmo fator ronda os 75%.

O que significa este número? Indica que, da energia que o combustível fornece, apenas um quarto é usado durante a condução. Os restantes três quartos perdem-se pela natureza termodinâmica das motorizações térmicas, atritos internos, etc.

As inúmeras peças que compõem a meritória tecnologia de combustão e todos os sistemas associados cumprem os limites da física. Em contraste, a mecânica elétrica tem um ponto de partida mais vantajoso. De acordo com os dados do grupo PSA, os seus modelos de combustão contam com cerca de 30.000 peças, enquanto os seus veículos totalmente elétricos reduzem esse valor em 60%.

Como é a manutenção de um carro elétrico?

Não se trata apenas de um número e de existência de peças. Em termos de manutenção, conta o tipo de utilização dada aos componentes de motorização.

O número de peças sujeitas a tração e movimento num modelo térmico também é muito maior. Por outro lado, entre os elementos comuns encontrados no coração das motorizações elétricas (eixo, rotor, rolamento, escovas, etc.), poucos recebem o desgaste associado ao movimento. Só o rotor o faz, canalizando a energia recebida. Da mesma forma, um modelo 100% elétrico não requer válvulas, alternador, motor de arranque, ou sistemas de injeção e turbocompressores ou de escape.

Se seguirmos o sentido da energia num veículo, o próximo sistema que um carro elétrico utiliza é o da transmissão. Com poucas exceções (como no caso daqueles que montam um variador contínua), os modelos cem por cento elétricos têm uma única relação de caixa.

Isto significa que também saem da fábrica com uma caixa de velocidades leve e também mais simples. O que resulta no facto de estes carros não terem embraiagem. Poupar a manutenção e a substituição nada barata desta peça já é uma vantagem imbatível.

As baterias do carro eléctrico tem manutenção?

elétrico

Nem tudo é um caminho de rosas na mecânica do carro elétrico. Na sua essência encontramos um elemento que adiciona um fator inédito para os motores térmicos. Estamos a falar das baterias, responsáveis por alimentar o motor.

O que é relevante sobre elas tem a ver com o seu tempo de vida útil, que é de cerca de dez anos. No entanto, este número varia muito dependendo de múltiplas variáveis: uso que lhes damos, cuidado e atenção (ao recarregá-las e submetê-las a climas muito quentes ou gelados) e à tecnologia de arrefecimento que apresentam.

O positivo é que, quanto à sua manutenção, elas normalmente não acrescentam uma despesa extra, a menos que falemos da degeneração total da sua química. Isto não o deve preocupar muito, uma vez que os fabricantes oferecem uma garantia de que, na maioria dos casos, excede em muito o utilização ou uma quantidade considerável de quilómetros. Assim, se for detetada uma degradação a partir de um determinado nível (cada fabricante define um valor), o custo das células mais danificadas é coberto. Isto enquanto estiver dentro do período de garantia ou distância.

Travões e pneus desgastam-se menos

elétrico

Outros itens de manutenção que são reduzidos nos veículos elétricos são pneus e travões. Por um lado, porque a sua propulsão é mais linear e homogénea do que a de um carro de combustão. Por outro lado, porque a retenção de base de sistemas de motorização e travagem regenerativa permitem que uma parte da energia se perca nestes elementos retorne ao sistema.

Como pode ver, há muitas peças e componentes que variam, assim como o custo. Se formos aos dados publicados pelos fabricantes (como a Volkswagen), constatamos que o preço de manutenção de um dos seus modelos mais representativos na versão elétrica cem por cento é apenas um terço do que custa no seu equivalente térmico. E que, nesta última previsão, não tem em conta a substituição de sistemas verdadeiramente térmicos, como a embraiagem.

Como já dissemos, as razões para esta diminuição dos custos é que na eletricidade não há necessidade de substituir correias de distribuição, de transmissão, velas de ignição ou filtro de ar, entre outros. Por conseguinte, ao considerar a aquisição de tal modelo, o custo de manutenção deve ser descontado.

Fonte: CirculaSeguro.com

Imagens: iStock/joel-tiStock/StadtratteiStock/Sven LoeffleriStock/michelmond