Porque falham os injetores de um motor Diesel?

Ricardo Carvalho

3 September, 2020

O automóvel é composto por um conjunto de sistemas coordenados entre si, logo uma má sincronização do seu funcionamento pode provocar uma falha que conduzirá a uma avaria.

Por exemplo, se um determinado automóvel tem montada uma correia da distribuição e a sua substituição é realizada ignorando por completo as indicações do fabricante, pode provocar uma rutura da mesma e o motor sair gravemente danificado. Se a substituição da correia for feita de acordo com as indicações do fabricante, evita-se uma avaria e podemos ficar sem o carro durante um longo período de tempo.

O sistema de alimentação de combustível pode ser de injeção Diesel ou gasolina e tem a missão de fornecer o combustível necessário de acordo com a necessidade de aceleração.

Os injetores são os componentes encarregues de injetar combustível pulverizado no interior da câmara de combustão (injeção indireta do combustível) ou diretamente na cabeça do pistão (injeção direta do combustível).

Os injetores são formados por um bocal com orifícios muito pequenos e com uma orientação específica. Uma agulha encarrega-se de abrir e fechar a passagem do combustível para esse bocal e um mecanismo abre e fecha a mesma agulha.

Nos primórdios dos sistema de injeção, a abertura e o fecho da agulha era realizada pela mesma pressão do combustível que era originada por uma bomba distribuidora. Nos atuais sistemas esta ação é feita de forma eletrónica dentro do injetor e é comandado por uma unidade eletrónica.
Os primeiros injetores que se montavam nos automóveis eram mecânicos, mas a evolução nos sistema de injeção, fez com que atualmente se montem injetores eletrónicos que podem ser indutivos ou piezo-elétricos.

É cada vez mais comum observar veículos a gasóleo com problemas de injeção provocados por uma série de fatores que fazem com que se produzam avarias que podiam ser evitadas se fosse feito um controlo periódico do sistema de injeção.

É muito importante realizar a manutenção do sistema de alimentação e substituir o filtro de combustível quando o fabricante recomenda, se não o fizer este será um dos fatores que vai provocar problemas nos injetores Diesel, podendo entrar impurezas no injetor que vão provocar o mau funcionamento do mesmo, chegando a inutilizá-lo.

Outra avaria que pode acontecer com o injetor são as fugas de retorno produzidas pelo desgaste natural das peças, por defeitos de fabrico dos injetores e por utilização de combustível de má qualidade e com poucos aditivos.

Estas fugas de retorno fazem com que no interior, as várias peças do injetor não fechem hermeticamente e em vez de sair combustível pulverizado pelo injetor, este se perca pelo retorno, provocando uma falha e a consequente avaria.

Outra avaria típica são os problemas no bocal do injetor. É esta a peça que está no interior dos cilindros e que suporta altas temperaturas e pressões. A pressão a que trabalham os injetores vai provocar um desgaste dos orifícios do bocal e isso faz com que uma pulverização deficiente do combustível, chegando inclusivamente a sair gotas (ainda que possam avariar pela acumulação de carvão da combustão, que provoca a obstrução dos oríficos).
Esta avaria também é provocada por uma qualidade deficiente do combustível e ainda pelo facto de não se substituir o filtro de combustível dentro do prazo estipulado pelo construtor.

Abastecer em postos com combustíveis baratos pode ser mais económico na hora de encher o depósito, mas pode sair mais caro por causa da má aditivação do combustível.

Cuidado com o Biodiesel: este tipo de combustível tem a particularidade de absorver água e humnidade, algo que provoca problemas de oxidação e corrosão no sistema de injeção.

Se o gasóleo não for tratado com o aditivos correto, podem ocorrer problemas internos no sistema de injeção e os injetores acabam gravemente danificados.

As outras avarias dos injetores acontecem por problemas elétricos. Atualmente os conetores dos injetores podem falhar. Com o passar do tempo e com a passagem da corrente elétrica pelos terminais dos injetores, pode provocar falhas no conetor, provocando a acumulação de pó nos contactos e a consequente falha do conetor.

Neste caso, a avaria não é interna mas afeta o funcionamento do injetor, provocando uma avaria que se for diagnosticada corretamente não sairá cara. Se o nosso automóvel utiliza injetores piezo-elétricos, quer dizer que têm data de validade. O que quer isto dizer? Que os cristais piezo-elétricos que incorpora no seu interior têm um número limitado de ciclos de trabalho e quando este número de ciclo chega ao seu limite, o injetor fica inutilizado.
Se possui um veículo a gasóleo que tem cerca de 200 mil km, é recomendável realizar um teste de injetores numa oficina especializada. Esta medida diz-nos como estão os injetores e conseguimos combater uma avaria prematura do sistema de injeção.

Em resumo, para evitar na medida do possível a avaria dos injetores, devemos substituir o filtro de combustível peridicamente, entre os 40 e os 50 mil km, dependendo do tipo de motor e do sistema de injeção, seguindo sempre as recomendações do construtor.
É aconselhável não utilizar combustível de má qualidade e nunca deixar o depósito chegar ao final da reserva, porque vai arrastar impurezas que se depositam no fundo do mesmo, provocando problemas no sistema de injeção.

--

Uma iniciativa da: