Serão as rotundas fonte de conflito ou realmente eficazes para a segurança rodoviária?

Ricardo Carvalho

24 February, 2021

É um dos pontos que mais nos faz ter dúvidas ao volante. Normalmente as interseções, as prioridades e as exceções à regra são situações de difícil resolução no trânsito já desde a escola de condução. As rotundas, em princípio, têm como objetivo reordenar o trânsito de forma simples e rápida para permitir uma circulação fluída. Mas a verdade é que, em muitas ocasiões transformam-se em fonte de conflitos, aumentando as probabilidade de acidentes. Serão verdadeiramente lugares seguros?


Quais as vantagens de uma rotunda na segurança rodoviária?

Em sua defesa, e no momento de ponderar ou não a sua instalação, devemos ter em conta que fatores beneficiam a circulação e a nossa segurança. E para isso, o melhor será olhar, por exemplo, para a cidade de Atalanta no Estado norte-americano da Georgia. Circular pela sua área metropolitana revela o especial interesse que ali existe pela rotundas em detrimento dos tradicionais cruzamentos. E as rotundas não são construídas em vão, o Departamento de Transportes da zona (GDOT) considera que as rotundas reduziram os acidentes em 35% e os ferimentos em acidentes que ali acontecem em 60%.

Há vários aspetos que convém destacar:
– Redução das mortes em quase 90% (de acordo com o NAS nos EUA)
– Redução das colisões em 35%
– Melhor convivência com bicicletas e peões
– Melhor eficácia no trânsito durante as horas de ponta
– Limitam a poluição e o consumo de combustível: menos paragens e acelerações forçadas logo menor tempo de paragem.
– Poupança – não requer nenhum equipamento de sinalização, basicamente é só manter o piso em bom estado.

Maior respeito pelas regras de trânsito

Afinal o que podemos fazer para evitar um aumento da sinistralidade nas rotundas? A grande diferença está na educação. Transitar numa rotunda pode ser complexo pelo facto de ser uma manobra rápida na qual estão envolvidos um grande número de utilizadores. Por isso, é substancial atuar com respeito, sem agressividade e com uma condução suave e preventiva.

Desacelere antes de entrar e nunca dê nada por terminado em relação ao resto: pode alguém ter o pisca ligado por engano e pode não sair… jogue na defensiva e não atue como se esse carro o fosse fazer.

Ceda a passagem: principalmente aos utilizadores mais vulneráveis, como peões ou ciclistas, mas procure adquirir o hábito de o fazer com todos os veículos que circulam na via. Se estiver parado e ceder a passagem sem pressas, reduzimos a possibilidade de criar perigo.

Utilize sempre os indicadores de mudança de direção ou faça gestos: de forma a indicar os movimentos que fazer com o veículo, mas não assume que todos em seu redor se aperceberam disso mesmo.

Tenha mais paciência com veículos volumosos, como camiões e autocarros: podem bloquear a passagem ou reduzir a velocidade de circulação na rotunda, mas para este tipo de veículos a manobra é sempre mais delicada e precisa.

Desimpeça a via para permitir a passagem de veículos de emergência

Guia para realizar uma rotunda de forma perfeita

Não queríamos despedir-nos sem escrever todas as dúvidas para circular corretamente e sair airoso da rotunda. O mais provável é que a cada dia tenhamos de enfrentar cada uma dessas dúvidas, por isso devemos familiarizar-nos com elas. Assim, aqui ficam alguns passos para “responder” a todas as dúvidas e circular com toda a segurança:

Antes de entrar na rotunda
Olhe para a esquerda e comprove que não vem trânsito. Em caso de dúvida, é sempre melhor esperar ainda que às vezes possa ser desesperante para outros condutores ansiosos. É recomendável que a faixa de entrada seja a interior, contudo se nos dirigirmos para a primeira saída à direita, nesse caso podemos entrar na rotunda pela faixa da direita. Em qualquer outro caso, é recomendável entrar pelo faixa externa e sinalizar com o pisca e passar para a faixa externa antes de entrar na saída.

Uma vez na rotunda não pare em nenhuma situação
Não sabe qual é a sua saída? Não pare por nenhum motivo, nem faça marcha-atrás! Continue a circular e dê as voltas que sejam necessárias até que perceba onde está e onde quer sair.

Prioridades
O condutor que circula pela faixa externa tem prioridade na mesma, seja sobre quem entre na rotunda, seja pelos que circulem no carril interior.

A saída da rotunda
Convém seguir uma regra simples e clara: ao abandonar a rotunda devemos fazê-lo sempre pela faixa exterior (a direita). Nunca a partir da interior, pois podemos encontrar na lateral um veículo que continua constantemente às voltas.
Esperamos ter esclarecido todas as suas dúvidas no que diz respeito às manobras no interior das rotundas. Convém recordar a importância de o fazer com segurança e em segurança para evitar assim o aumento da sinistralidade nestas zonas.

Fonte: Circula Seguro.com
Fotos: Pixabay

 

--

Uma iniciativa da: