Sete conselhos para conduzir em segurança até uma estância de esqui

Alberto Valera

5 February, 2020

A temporada de inverno traz consigo as delícias dos que amam os desportos da temporada. Em função da forma como correm os níveis de cada estação, fins-de-semana e períodos de férias, aumenta a concorrência de veículos em estâncias e zonas de desportos de inverno. As condições para chegar a zonas como estas e circular por lá são, na maioria das vezes, pouco favoráveis.

Em Portugal não há assim tanta neve quanto isso, mas há muitos portugueses que aproveitam alguns dias de férias para se deslocaram a estações de esqui mesmo aqui ao lado, em Espanha. Assim, propomos uma série de recomendações para facilitar a viagem e tentar potenciar a segurança rodoviária neste tipo de casos.

1 – Informe-se sobre o acesso à estância de esqui

Planifique o trajeto: geralmente, conduzir até uma estância de esqui pressupõe circular por zonas montanhosas. Cada porto de montanha conta com caraterísticas únicas, sobretudo no que se refere ao traçado da estrada, qualidade do piso ou à presença de neve e de gelo em determinado pontos. Não é a mesma coisa subir à Serra da Estrela ou à Serra Nevada. Por isso, convém planificar na medida do possível a viagem que nos leva ao destino.

Implica, em maior ou menor medida, conhecer os detalhes da estrada. É aconselhável circular por estradas nacionais e em horas diurnas. Evite viajar de noite e por estradas secundárias.

2 – Tenha o veículo preparado para a condução invernal.

Outra recomendação é precisamente a que diz respeito ao nosso veículo. Em função dos quilómetros que prevemos percorrer durante os meses de inverno por trajetos de montanha, devemos prestar atenção a alguns elementos essenciais do veículo:
– estado dos travões. É aconselhável cuidar do estado das pastilhas e dos discos, tal como dos liquido dos travões.
– Atenção ao nível de anticongelante. Um nível adequado vai contribuir para que o motor não sofra das desvantagens de se manter longos períodos de tempo a baixas temperaturas.
– Verificar o estado da bateria (ou baterias). As temperaturas abaixo de zero castigam de forma especial a parte química das baterias. Se formos de carro elétrico, esta questão tem ainda mais relevância pelos efeitos
negativos que o frio tem sobre a autonomia.
– o nível do óleo e do estado da climatização e do limpa pára-brisas.

3 – Pneus e correntes

Pneus e correntes merecem uma menção especial. Antes de entrar nestas zonas é recomendável a utilização de pneus de inverno ou de correntes. é preciso verificar o estado de desgaste em que se encontram. No caso de montar pneus de inverno, tão imprescindível como levar o equipamento de esqui é levar correntes. Isto pressupõe saber como e em que situações se devem montar. Circular com regularidade por uma estação de esqui no inverno será muito mais simples se montarmos um pneu de inverno. Nesse sentido, a gama de pneus Michelin Alpin pode ser a melhor opção. Também pode revelar-se prático utilizar um pneu apto para todas as estações, como o Michelin CrossClimate.

Estes pneus vão permitir transitar por aqueles percursos de montanha em que alternam estradas de neve com gelo e túneis (zonas onde as correntes funcionam na perfeição). Convém não esquecer que os pneus de inverno só são bons para este tipo de pisos. Em Portugal não vale a pena utilizá-los no dia-a-dia.

4 – Não se esqueça do kit de emergência

Para além do colete refletor e do triângulo, não devemos esquecer nunca que um kit de emergência deverá ser composto também de algumas ferramentas. Mas, a composição deste kit vai depender, outra vez, do tipo de traçado que vamos percorrer. Por isso pode ser útil levar uma manta, calçado adequado, roupa de abrigo, espátula para raspar gelo, cabos de bateria, uma lanterna, comida e bebidas e um smartphone carregado bem como o respetivo carregador.

5 – Transporte do equipamento

Existem inúmeras soluções para transportar esquis, tábuas de snowboard e todos os outros materiais relacionados com os desportos de inverno. Por isso, deve ter atenção à forma como transporta tudo isto. Se é numa bagageira legal, sem não ultrapassa os limite do veículo e deve ser sempre sinalizado.

6 – Atenção à meteorologia

Consultar a previsão meteorológica é outra das questões vitais para que a viagem até à estação de esqui corra sem problemas. Relacionado com isto e como temos já falado no Circula Seguro, existem, em Espanha, quatro níveis que definem o estado invernal das estradas:
Verde: manter alerta às condições da via e prestar atenção às condições da via e aos restantes condutores. A cortina de neve pode dificultar a visibilidade
Amarelo: é preciso reduzir a velocidade e aumentar a distância de segurança devido ao facto da neve, ao chegar ao solo, funde-se num manto leve de água.
Vermelho: a este nível é obrigatório colocar correntes e circular a baixa velocidade. A recomendação passa por circular mesmo assim.
Negro: não se pode conduzir.

7 – Condução cuidado e defensiva

Todos estes conselhos culminam no tipo de condução. Esta é determinante para garantir a segurança a bordo e, dependerá uma vez mais, das condições em que está a via. A subia à estâncias de esqui com presença de neve e gelo altera a condução ideal.

Assim, a recomendação é evitar acelerações bruscas e utilizar relações longas para evitar a perda de aderência nas rodas. A mesma suavidade tem de ser aplicada na utilização do travão.
Ainda que o travão motor nos vá ser útil nas descidas, temos de ter alguma atenção ao pedal do travão. É importante manter uma distância de segurança suficiente para os restantes veículos. Esta deve ser maior quanto pior sejam as condições da estrada.

Concentração e previsão são valores em alta para a nossa condução em período de inverno. Por isso, temos de ser capazes de visualizar a estrada com um certo grau e adiantamento. E, da mesma maneira, convém levar roupa mais larga que nos permite conduzir.
Os cuidados a ter não são assim tantos, mas uma vez interiorizados não supõem nenhum esforço extraordinário e ajudam-nos a ser melhores condutores.

Fotos: iStock

--

Uma iniciativa da: