Miguel Alves

5 March, 2021

Uma colisão, a apenas 25 km/h, de trotinetes elétricas contra um peão ou um veículo pode causar ferimentos graves ao condutor da trotinete.

Esta é a principal conclusão do relatório “Testes de colisão de trotinetes elétricas, riscos associados e recomendações para uma utilização segura”, realizado pela Fundação MAPFRE em colaboração com a espanhola CESVIMAP e que inclui os resultados de dois crash-tests, baseados em simulações anteriores de computador.

A análise de uma colisão a 25 km/h entre uma trotinete e um automóvel dita que a área mais afetada seja a cabeça do utilizador da trotinete, mas a região cervical também está exposta a um alto risco, que pode sofrer um efeito chicote no momento após a colisão, depois de bater com a cabeça no solo.

Crescente utilização de trotinetes

O relatório destaca ainda a crescente utilização de veículos de mobilidade pessoal nos últimos anos e recolhe dados não oficiais de acidentes, divulgados pelos meios de comunicação social. Embora a situação seja alusiva a Espanha, vale a pena considerar como informação de relevo, dada a proliferação deste tipo de veículos: em Espanha, em 2020 ocorreram mais de 100 acidentes de viação com vítimas com trotinetes elétricas (mais 24 do que em 2019), com 109 pessoas com ferimentos ligeiros e graves (mais 26 que em 2019) e 6 mortos (mais 1 que no ano anterior). A maioria das vítimas tinha entre 16 e 35 anos.

Quase todos os acidentes apontados nesta análise espanhola ocorrem nas cidades (98%) e, especificamente, em vias frequentadas por veículos (66%). Os sinistros acontecem, principalmente, em consequência de colisões (60%), atropelamentos (20%) e quedas (19%).

Automóveis (66%), peões (11%), furgões (8%), camiões e autocarros (7%) e bicicletas (6%) estão envolvidos nestes acidentes, que são sofridos principalmente por pessoas entre os 16 e 35 anos de idade.

Os fatores que mais influenciam um acidente fatal são conduzir trotinetes sem capacete (40%), imprudência cometida por outros veículos (20%) e circular em estradas interurbanas (20%).

“Atualmente, um terço dos atingidos por este tipo de acidente sofre traumatismo craniano que requer internação em Unidades de Medicina Intensiva”, explica a Fundação MAPFRE.

A Fundação MAPFRE aconselha

A Fundação MAPFRE transmite as seguintes recomendações para se circular em segurança em trotinetes e outros veículos de mobilidade pessoal (VMP):

– Use sempre capacete e colete refletor ou roupa de alta visibilidade.
– Circule nas ciclovias e nas zonas 30.
– Respeite a sinalização de trânsito em todos os momentos.
– Não invada as calçadas e desça da trotinete ao atravessar uma passadeira.
– Não use o pé como travão para evitar lesões e não use aparelhos para ouvir música.
– Mantenha a pressão correta dos pneus e faça a manutenção adequada da trotinete.

 

Imagens |Denniz Futalan no Pexelscottonbro no Pexels

--

Uma iniciativa da: