Não sem o meu animal de estimação

Redacción Circula Seguro

20 September, 2021

O número de animais de estimação nas moradas tem aumentado enormemente nos últimos dois anos, principalmente devido aos benefícios proporcionados para o bem-estar de muitas pessoas: maior atividade física, companhia, segurança, etc… A sociedade atribui uma importância crescente à sua integração nas famílias, quase como se fossem outro membro da família. Por isso, muitos proprietários de animais de estimação incorporam-nos na sua vida diária e até viajam com eles de carro: Seja para ir ao veterinário, desfrutar de um fim de semana no campo ou realizar longas viagens durante as férias, os animais de estimação tornaram-se mais um assunto a ter em conta no nosso trânsito rodoviário. Mas, será que sabemos realmente como eles devem ir quando viajamos de carro?

Garantir o bem-estar animal

É evidente para os condutores que a utilização do sistema mais adequado faz parte da nossa responsabilidade para garantir o bem-estar dos nossos animais de estimação, mas ainda existem muitas dúvidas sobre a forma mais adequada do seu transporte.

A primeira recomendação é muito clara: os animais de estimação nunca devem viajar soltos no carro. Em primeiro lugar, porque é importante que não interfiram com a condução ou estabilidade do veículo; e em segundo lugar, porque se viajassem soltos, por exemplo, no banco de trás, seriam expulsos em caso de colisão e os danos poderiam ser fatais, tanto para o condutor como para o animal.

A melhor coisa, a bolsa de transporte

A forma mais segura de transportar o nosso animal de estimação no carro é na bolsa de transporte. Se o animal de estimação for pequeno, a bolsa pode ser colocada no chão do veículo, atrás do banco da frente; se o animal for grande, é mais seguro transportá-lo na bolsa de transporte colocada no porta-bagagens (posição transversal à direção da viagem) e combinar esta opção com a grade no porta-bagagens.

Outra opção, menos aconselhável que a bolsa de transporte, é a utilização de ârnes duplo (não apenas um) no banco de trás, unido ao cinto de segurança. O arnês impede o deslocamento do animal. Portanto, em caso de impacto, nenhuma carga atinge o condutor. Para evitar que o animal de estimação colida com os bancos, as consequências podem ser muito graves, deverão ter um sistema de união curto. Lembre-se: no caso dum impacto a uma velocidade de 50 km/h, o peso do animal é multiplicado por 25.

Recomendações

É importante levar consigo a documentação válida do animal. Para evitar enjoo, deve jejuar durante pelo menos duas horas antes da partida. Durante a viagem, é aconselhável abrir os vidros para arejar, mesmo com o ar condicionado ligado. Porém, evitar expor a cabeça do animal, pode causar otite ou conjuntivite.

Em todas as viagens, especialmente durante o verão, é importante parar a cada duas horas, para que os animais de estimação possam sair um pouco do veículo. É uma boa ideia manter os vidros entreabertos e nunca deixar o animal dentro do veículo. A paragem é uma boa altura para descansar e hidratar-se. E, claro, à chegada ao destino é importante que o animal de estimação se familiarize com o novo ambiente, coma, tome ar e brinque. Esse é o momento de recompensar com alguns dos seus alimentos favoritos para o felicitar pela prova aprovada.

Lembre-se de que, mesmo que o destino final da viagem seja um lugar onde quer estar, viajar pode ser muito stressantes para os animais. Quanto mais investir na sua tranquilidade e bem-estar, mais estará a investir no seu próprio conforto e segurança.

 

Etiquetas

dados
--

Uma iniciativa da: