O que é a condução?

A condução, no sentido rodoviário, é uma operação controlada que origina o movimento de um veículo motorizado com rodas, como um carro, motociclo, camião ou autocarro. Até há algum tempo esta atividade era exclusiva dos humanos, atualmente já existem programas informáticos que conseguem fazê-lo.

Todos os dias são noticiados acidentes de carro nas estradas pelas mais diversas razões, destacam-se as seguintes:
Velocidade inadequada às condições;
Imprudência na abordagem à circunstancias vividas na estrada;
– Ingestão de álcool, drogas, ou medicação que afeta negativamente a capacidade de perceção e destreza física.
– Desrespeito pelas regras de transito;
Falta de bom senso.

A existência de tantos fatores torna difícil a vida de quem tenta promover uma forma de combater os acidentes de automóvel. Todos terão na sua frente um percurso longo e algo tortuoso percurso, que terá que ser abordada sempre de forma positiva.

É preciso prevenir os acidentes e conduzir o seu carro de uma forma defensiva de modo a evitar acidentes. Fique a conhecer mais pormenores sobre a condução que necessariamente terá que ser praticada por todos.

O que é uma condução correta?

A condução deverá ser efetuada de forma ponderada. Se for praticada de maneira defensiva, será a melhor forma de evitar acidentes, mesmo com os erros comuns que possam ser praticados pelos outros condutores.

Outros fatores que podem fazer com que a condução seja considerada desadequada tem origem nas condições adversas do trânsito e do tempo. O que numa situação normal poderia ser aceitável, com a soma de determinados fatores não o é.

Se o piso está escorregadio, apesar da velocidade máxima permitida não ser atingida, um veículo pode circular a velocidade excessiva para as condições caso não consiga parar, curvar ou efectuar outra manobra devido à velocidade.

Conduzir defensivamente é fazê-lo de forma prudente antecipando situações que possam originar a acidentes. A condução defensiva permite que se evitem riscos desnecessários.

Princípios para uma condução segura

Em primeiro lugar pense na segurança, na sua, na de quem viaja consigo e na segurança de quem o rodeia. Evite uma condução agressiva e intimidante. Guarde uma distância adequada de segurança entre o seu veículo e o da sua frente, saiba qual a matemática por detrás deste cálculo.

A sua segurança física também é importante, tranque sempre as suas portas após entrar no seu veículo. Quando circula deverá usar o cinto de segurança, assim como todos os passageiros. Mesmo os que circulam no banco de trás e sim, mesmo os mais velhos que reclamam que atrás não é necessário

Antes iniciar a sua marcha deverá garantir que possui todas as condições para o fazer. Evite distrações, a concentração é um das maiores razões de uma boa condução. A falta de atenção é a causa principal de acidentes rodoviários em todo o mundo.

Além dos fatores já atrás descritos um condutor depara-se ainda com regras e sinais de trânsito que tem que respeitar e cumprir. A argúcia do condutor perante uma situação de múltiplos impulsos, especialmente se contraditórios, diminui consideravelmente.

Se o condutor se deixar distrair com tudo o que o rodeia, por exemplo, telemóveis, música, crianças que não estão corretamente sentadas e com o seu movimento restrito, a probabilidade de efetuar uma viagem completa, entenda-se chegando ao destino pretendido, será baixa.

Quando conduz, essa é a sua tarefa, não deverá responder a chamadas telefónicas, não deverá estar a se virar para trás para colocar o bebé na cadeirinha. Para uma boa condução um condutor deverá acima de tudo concentrar-se na estrada. Depois, quando sair do veículo, poderá pensar noutras coisas.

O estado de alerta ajuda

Se o condutor estiver em estado de alerta melhora a aptidão de reagir eficazmente perante os obstáculos que lhe possam surgir. Quando conduz de uma forma defensiva, significa que está a dedicar a sua atenção à condução e isso mantê-lo-á ciente de tudo o que importa para a realização dessa tarefa.

A distração faz a mente divagar e “coloca” o condutor num outro local sem ser no da condução. A condução implica a máxima concentração, por isso, deixe-se de distrações e mantenha a máxima atenção na condução.

O ditado diz que “o seguro morreu de velho“. Não deixe que um acidente evitável aconteça. Tenha sempre em consideração os outros, mas olhe sempre por si. Não faça presunções na estrada, nunca assuma que alguém vai fazer algo correto, ou que você faria, não é você que está a conduzir o outro veículo.

Uma das regras basilares para uma condução defensiva passa por observar tudo que se passa em seu redor. Esteja sempre atento ao que os outros fazem. Lembre-se de verificar os espelhos, regularmente, para saber onde andam os outros e que veículos podem estar a se aproximar do seu.

Caso detete sinais de uma condução agressiva, abrande e deixe-o o outro veículo passar, não compita, não se trata de uma corrida a ver quem precisa de ativar os serviços de socorro em primeiro lugar.

Tenha também atenção aos outros intervenientes na via pública, pedestres, os ciclistas e até eventualmente animais que possam atravessar a estrada, antecipando eventuais cenários, mas sem reagir por excesso.

Ajuda ser visto

A melhor forma de evitar a situações de possível perigo é a de posicionar o seu veículo onde possa ser visto. Evite circular nos pontos cegos dos espelhos retrovisores dos outros veículos. Se está a ultrapassar efetue a manobra de forma célere. Se a diferença de velocidade é reduzida, pondere se é efetivamente necessário ultrapassar.

Outra forma de ser visto é circulando a velocidades moderadas. Por exemplo, se efetuar uma curva a alta velocidade e caso exista uma passadeira à saída da curva, com alguém para a atravessar serão os dois surpreendidos. Caso não consiga travar a tempo, o que acontece?

Consegue desviar-se? E passará pela frente ou por detrás do peão? E o peão continuará em frente, irá parar ou irá voltar-se a tentar voltar ao seu ponto inicial antes de atravessar a estrada? Caso o atropele como ficará a sua consciência? E como ficará a família de quem foi atropelado?

À noite, por vezes, alguns veículos fazem-se ver bem demais. O encadeamento é um fator adverso que condiciona a condução, uma vez que ao olhar diretamente uma luz intensa e direta, perde momentaneamente a visão de uma forma parcial ou total. Esse espaço de tempo poderá ser fatídico.

O estado que a via se encontra não depende da ação do condutor, mas a ação do condutor deverá depender do estado da via. Este é também um elemento muito importante para a segurança, na medida em que o bom estado do piso das vias, permite uma melhor circulação do trânsito. No sentido oposto, um mau estado da mesma obriga a uma atenção redobrada e a situações de entropias no trafego.

A importância da manutenção

O seu automóvel pode ser o responsável por um acidente se não tiver nas melhores condições. Se não for inspecionado com regularidade, pode apresentar uma série componentes com defeitos. O surgimento de avarias na estrada são um obstáculo à conclusão da viagem. Criando entropias ao fluxo do trafego no local onde ocorra a avaria.

Entre a falhas, ou faltas de atenção, que poderão originar um acidente destacam-se as seguintes:
Pneus gastos
Pneus inadequados ao terreno ou às intempéries
Má calibragem dos pneus
Pastilhas de travão gastas e discos “vidrados”
Derrames de óleo.

Se o seu veículo não se apresentar nas melhores condições, não corra riscos, não circule. Repare-o antes de utilizá-lo novamente. Não é só a sua segurança que está em risco. Respeite-se e aos que o rodeiam.

Foto | Pxhere