Os alimentos na segurança rodoviária

DSC00742

Não é objetivo deste espaço de informação e sensibilização rodoviária debater gastronomia. No entanto ela está diretamente associada à boa ou menos boa prestação da atividade de conduzir, nomeadamente após a refeição do almoço, pois normalmente é aqui que acontecem os exageros e descuidos.

Se se impõe um cuidado mínimo com as capacidades psicofísicas dos condutores para que possam apresentar uma boa prestação aos comandos da viatura que conduz, os alimentos que ingerimos, a quantidade e a forma como são confecionados, adquirem uma importância preponderante para essa disponibilidade psico-motora.

A boa ou má digestão

Como sabemos a roda dos alimentos é composta por diversos níveis de qualidade e preferência da alimentação que devemos seguir. Deste modo e uma vez que a atividade da condução apresenta uma condição menos favorável a uma boa digestão, é recomendável que, antes de dar inicio a uma viagem longa ou durante esta, se consumam alimentos catalogados como leves, assim como se consumam bebidas não alcoólicas e não gasosas.

Deste modo, essa digestão passa a ser efetuada com melhor qualidade, garantindo um bem-estar físico ao condutor, permitindo que o sua concentração e estado de alerta sejam permanentes e de relevância. O facto de consumir alimentos considerados pesados, álcool ou bebidas gaseificadas, o condutor entra num estado de enfartamento, má disposição e irritabilidade, tendo como consequência a sonolência e distração.

Tipo de alimentos a ingerir

Assim, sempre que for dar inicio a uma viagem longa ou se faz do automóvel ferramenta da sua profissão, sugerimos que ingira refeições á base de verduras, saladas ou grelhados. Coma poucas quantidades e várias vezes ao longo da sua viagem. Acompanhe a sua refeição com água ou sumos naturais. Se por alguma razão se sentir cansado ou sonolento antes ou ao longo da viagem, faça pausas, saia do veículo para apanhar ar e dê uma pequena caminhada. Quando se sentir melhor retome a sua viagem.

É muito importante que os condutores estejam atentos ao fator alimentação se vão conduzir, uma vez que existem pessoas que sofrem de doenças gástricas que são afetadas com a sedentariedade da condução. Se este é o seu caso, não deixe de consultar o seu médico de família, colocar-lhe a questão e solicitar-lhe ajuda. Afinal, na estrada anda muita gente e a segurança de todos é o principio da boa convivência rodoviária.