Os condutores séniores e a dificuldade de deixar de conduzir

Condutores séniores

A mobilidade das pessoas é uma das bases para o funcionamento da nossa sociedade, tanto economicamente quanto em termos de bem-estar. Nós recorremos aos veículos para o trabalho e para nos distrairmos. Essa indispensabilidade de deslocação tornou o acto de conduzir em uma necessidade quase primal. Por outro lado, a prática habitual de condução de veículos leva a que cada reacção ao volante se cosntitua como um reflexo, de modo a que se associa a sua condição como condutor a mais uma vertente de sua personalidade.

O que acontece quando não existe outra escolha a não ser parar de conduzir, pois o corpo já não responde da mesma forma como você se encontra com suas totais capacidades? Talvez esse seja o pior momento para um condutor que sempre encontrou em seu carro um sinal de liberdade, autonomia, independência e até mesmo um símbolo de autoridade. E, certamente, esse momento irá chegar brevemente para muitos de nós. No entanto, é quase óbvio que o conhecimento da situação e até mesmo saber como detectar os primeiros sintomas que indicam uma possível perda de capacidade de condução, é o primeiro passo para encontrar adequadamente a resposta para o problema, seja para nós mesmos ou para as pessoas no nosso meio ambiente.

Conduzir está ligado ao desempenho neuropsicológico e comportamental. Durante a condução, o condutor atravessa de forma contínua uma seqüência em que recebe muitos estímulos, os selecciona, os compara com a sua experiência, decide qual deve ser o seu comporto e executa uma ação decisiva, tudo isso dentro de um determinado tempo de reação, enquanto o veículo está em movimento. Em suma, o condutor deve ver, registar, lembrar, decidir e realizar uma ação motora em tempo mínimo. O risco de acidente aumenta substancialmente essencialmente quando acontece uma redução da velocidade de processamento da informação registada e da capacidade de alterar o registo.

Ao longo dos anos, o corpo de uma pessoa que sofre várias alterações. As suas articulações endurecem e os músculos enfraquecem, apesar de sua condição geral estar excelente. Essa combinação dificulta a mobilidade de qualquer condutor. A acuidade visual e auditiva também variam. Com a idade, todos necessitam de mais luz para ver bem, embora os pontos de iluminação como o sol ou os faróis de outros veículos sejam mais irritantes. O campo visual também fica mais reduzido, aumentando naturalmente os ângulos mortos ao redor todo o veículo.

Condutores séniores

Com o tempo também se ressente a velocidade de transmissão neuronal, pelo que os movimentos ao volante passa a ser realizados de forma mais lenta e menos precisa. Algumas pessoas sofrem de doenças que afetam a sua capacidade de pensar e se comportar. Este é o caso de pacientes com Alzheimer, que muitas vezes se esquecem de rotas conhecidas ou até mesmo podem chegar a “desaprender” como conduzir com segurança, pelo que realizam mais erros na condução e até mesmo têm mais fácilidade em sofrer acidentes. O acto de conduzir não é uma atividade inata, pois requer aprendizagem, por isso é mais susceptível de cair no esquecimento. No entanto, as pessoas que atravessam as fases iniciais da doença de Alzheimer podem continuar a conduzir por um tempo.

Existe uma lista de pistas sobre a perda da capacidade de conduzir, mas deve ser considerada com cautela e sem cair em exageros:

  • Violação repetida das regras de trânsito.
  • Sofrer acidentes frequentes (mesmo que sejam menos graves) e de forma injustificada.
  • Demorar muito a chegar ao destino ou não chegar ao destino.
  • Evidenciar um tempo de reacção lento.
  • Confusão com a direita ou esquerda.
  • Diminuição de capacidades na tomada de decisões, semáforos, cruzamentos, mudanças de faixa, etc.
  • Dificuldade em leitura de mapas.
  • Condução mais lenta.
  • Mudanças de pista inapropriadas.

Tais situações devem servir como um guia para o condutor e familiares do mesmo que têm como a supervisão e protecção, nunca impondo a retirada precoce do privilégio de conduzir. a Inibição de conduzir merece uma solução negociada entre o si mesmo, as pessoas ao seu redor e o seu médico. O condutor deve conhecer o seu estado, a fim de tomar decisões apropriadas e assumir a responsabilidade. No caso em que o condutor afetado não aceite a sua condição de redução de capacidade ou simplesmente a esqueça, pode recorrer a alguns pequenos truques: mudar o local do automóvel, esconder as chaves ou danificar o carro temporariamente, para convencê-lo de que não vale a pena consertá-lo.

A atitude da família e amigos do condutor afetado é essencial para que ele deixe de conduzir. Mas a tarefa não é fácil e este assunto requer uma grande dose de objetividade e muitas vezes a participação de elementos neutros. Assim sendo, falar sobre estas decisões com outras pessoas que estão ou estiveram em situações semelhantes pode fornecer informações e apoio, especialmente a partir dos assistentes sociais e de saúde e associações familiares.