Os perigos escondidos na circulação em urbanizações

Os perigos da circulação em urbanização

Ao longo dos anos as caraterísticas das cidades foram sofrendo alterações na sua construção, passando-se de simples ruas entrelaçadas, para o surgimento de urbanizações organizadas.

Estas urbanizações são espaços “extra” via pública, com entradas e saídas quase estratégicas, protegendo o espaço de circulação e os seus habitantes, das vias comuns de tráfego automóvel.

Foram crescendo, tal como foram crescendo as cidades e muitas delas transformaram-se em urbanizações – chamados condomínios – fechadas, onde apenas circula quem tem autorização para tal.

Os perigos das urbanizações

As urbanizações, ao serem edificadas, têm como princípio a elaboração de um espaço de habitação, repleto de zonas verdes e parques infantis. Muitas árvores, passeios largos e faixas de rodagem com capacidade para bastantes estacionamentos. Passadeiras e sinalização capaz de promover a harmonia rodoviária.

Acontece que, tendo tudo isto em consideração, as urbanizações raramente conseguem preencher todos os requisitos, uma vez que se tornaram verdadeiros dormitórios; locais de passagem fugaz dos seus habitantes.

Esta realidade faz com que a utilização dos espaço das urbanizações modernas sejam utilizados de forma contrária para o qual foram idealizados.

Assim, quando circulamos numa urbanização, devemos circular com especial atenção e prudência, uma vez que, apesar de se continuar a idealizar que aquele espaço são de baixa intensidade de tráfego viário, a verdade é que não o são.

Deste modo, ainda que haja sinalização adequada na regulação dos cruzamentos, muitos são os condutores que, na ideia do pouco tráfego, não a respeitam, circulando a velocidades inapropriadas, aumentando o risco de acidente.

O perigo de circular em urbanizações

Uma zona de coexistência

A última grande alteração ao Código da Estrada, trouxe para os conceitos rodoviários as “zonas de coexistência”, que nada mais são do que espaços utilizados por todos os intervenientes da via pública, no entanto com grande fluxo de tráfego de peões e/ou ciclistas.

As urbanizações têm as caraterísticas destas zonas de coexistência, no entanto, e apesar de se justificar que assim fosse, não estão contempladas nestas zonas, apenas porque não estão equipadas com a sinalização regulamentada.

Urge, assim, que cada condutor tenha o cuidado de adaptar a sua circulação, sempre que utilize um espaço de urbanização, protegendo-se dessa forma não apenas a si, mas aos demais utilizadores dessas vias.

Foto¦ Google Mapas