O perigo do gelo negro (black-ice) nas estradas portuguesas

Gelo negro

Portugal encara, esta semana, o pico da variação das temperaturas, devendo o termómetro atingir valores negativos, tanto no interior do país como nas localidades mais litorais.

Esta variação bruscas de temperaturas vai fazer com que, nas estradas, surjam camadas de gelo que diminuem o atrito dos pneus e por, conseguinte, aumentam as distâncias de travagem e paragem.

Se até aqui esta informação é uma banalidade, já o facto de surgir, em vias bastante especificas, o chamado “gelo negro“, pode ser uma informação mais relevante

O perigo do gelo negro nas estradas

Já todos ouvimos falar em gelo nas estradas e os perigos que destapam para o condutor. Todos sabemos que esse gelo é apresenta sob a forma de uma fina camada esbranquiçada sobre o pavimento.

Mas, afinal, de que se trata, exatamente, o gelo negro? Trata-se de uma camada de gelo que surge sobre o pavimento, mas que não é fácilmente detetável.

O gelo negro surge, essencialmente, nas pontes e viadutos. Tem a caraterística de ser transparente e dessa forma permitir que o negro do asfalto se veja. E é por isso que se chama gelo negro, mas, na verdade, é transparente.

O cuidado que o condutor deve ter ao circular na presença deste gelo é, exatamente, o mesmo que deve apresentar ao circular na presença do gelo branco ou “normal”. Deve ter presente que, devido ao facto de ser transparente, não é facilmente detetável.

Ao não ser detetável com antecedência, faz com que o condutor seja surpreendido, não conseguindo reagir atempadamente, o que poderá levar à ocorrência de um sinistro.

Este inverno, a que estamos sujeitos a uma variação profunda das temperaturas, o condutor deve apresentar um estado de alerta maior, transitar a velocidades mais baixas, aumentar a distância de segurança e evitar manobras que possam condicionar a segurança rodoviária.

Foto¦ MF