Tive um acidente e fugiram. O que faço?

Porque a boa-fé nem sempre é um princípio partilhado por todos os condutores, é preciso estar ciente dos passos a seguir se se vir envolvido num acidente de viação com fuga. O Circula Seguro dá-lhe algumas dicas a ter em conta.

1- A calma é essencial

Em primeiro lugar, mantenha a calma. Evite entrar em pânico e tomar decisões precipitadas. Se puder, fixe a matrícula do veículo, pois será fulcral para apurar responsabilidades do acidente. Se não conseguir, poderá depois tentar encontrar testemunhas que a tenham registado.

2- Não tente iniciar uma perseguição

Não é uma competência sua e poderá colocar outras vidas em risco. Dar início a uma «corrida» na via pública não é legal e é muito provável que só venha a causar outros acidentes.

3- Ponto de situação

Verifique se está tudo bem: Alguém dentro do carro está ferido? Chame o 112. Será ativada a assistência médica e serão também chamadas as autoridades se a gravidade do acidente o implicar.

4- Avalie os danos

O carro circula pelos próprios meios? Então, não perca tempo, retire-o da via e desimpeça a estrada, evitando causar constrangimentos no trânsito. A ideia de que as autoridades devem encontrar a viatura no local do acidente tem tanto de comum como de errada, sendo que o Artigo 87.º, n.º 1 do Código da Estrada é bastante explícito quanto aos procedimentos: “Em caso de imobilização forçada de um veículo em consequência de avaria ou acidente, o condutor deve proceder imediatamente ao seu regular estacionamento ou, não sendo isso viável, retirar o veículo da faixa de rodagem ou aproximá-lo o mais possível do limite direito desta e promover a sua rápida remoção da via pública”, assim, sem a presença do segundo interveniente, não há medições a fazer, por isso, o carro só está, literalmente, a empatar.

Se o carro não está em condições de circular, ligue para a Assistência em Viagem. O número consta na Carta Verde do seu seguro e, muitas vezes, vem também no verso do dístico que tem colado no para-brisas. Ser-lhe-á disponibilizado um reboque e/ou um táxi, consoante as condições da sua apólice.

Dica: Se for cliente MAPFRE, pode tirar fotos ao local e enviá-las diretamente à seguradora via MAPFRE Mobile. Em todo o caso é sempre aconselhável recolher algumas fotos do local onde o veículo ficou imobilizado e dos danos resultantes da colisão. As autoridades agradecem e, em alguns casos, fazem junção à Participação de Acidente.

5- Sinalize o local

Já que não consegue sair do local do acidente, deve sinalizá-lo o mais depressa possível. Vista o colete retrorrefletor e saia com cuidado da viatura – precavendo ser atropelado ou provocar um novo sinistro com a abertura da porta – e coloque o triângulo a pelo menos 30 metros do carro. Não se esqueça de que este deve ser visível a 100 metros, pelo que poderá ter de ajustar as distâncias se se encontrar em zonas de menor visibilidade, com curvas ou inclinações, por exemplo.

6- Casos graves

Quando se trata de um caso que envolva feridos ou mortes, é imprescindível chamar as autoridades para dar início a um processo crime. No caso de o acidente ocorrer na área de competência territorial da GNR, é ativado Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação e no caso da área de competência da PSP é a Brigada de Investigação de Acidentes de Viação. Eles farão a recolha de provas que irão depois analisar em sede própria.

Encontrar o outro interveniente no acidente será apenas uma questão de tempo.