Para quando uma legislação simplex para exames de condução automóvel?

exames de condução automóvel: centros públicos com morte anunciada?

Não é novidade para ninguém que em Portugal é possível efetuar o exame de condução automóvel ( e quando me refiro a automóvel, refiro-me a qualquer categoria) e de motociclo em centros de exames públicos – IMT – e em centro de exames privados – existem diferentes instituições.

Se existem diferenças entre ambos, é uma questão que qualquer um pode colocar, mas normalmente fá-lo no sentido de facilitação na avaliação final; existe um regulamento de avaliação e partimos sempre desse principio.

Nos dias de hoje um simplex nesta área seria essencial

Atualmente o IMT não está capaz de dar uma resposta, ao nível de marcação de exames práticos, que satisfaça escolas ou candidatos a condutores, uma vez que o tempo de demora de marcação da prova prática ronda, aproximadamente, os setenta e poucos dias.

Este atraso faz com que o trabalho das escolas de condução se torna mais difícil, principalmente no agendamento das aulas práticas, e desesperante para os candidatos, uma vez que os faz esperar enormidades de tempo. Numa eventual reprovação, terão de aguardar mais setenta e poucos dias.

Sabendo-se que os centros de exames privados têm prazos mais apetecíveis, pouco mais de dez dias para a marcação da dita prova, não é menos verdade que frequentá-los encarece o contrato que é realizado entre escolas e clientes.

A solução para tanta espera, ou para a evitar, é o candidato, pela ocasião da assinatura do contrato com a escola de condução, optar pela realização do exame em centro de exames privado. Mas quando lhe é informado que acresce no custo, relativamente ao público, este opta pelo público.

No entanto, quando o candidato se depara com esta espera tão prolongada, vai até junto da escola e informa que está interessado em pagar mais e efectuar exame em centro de exames privado.

Se o exame teórico ainda não estiver realizado, o problema está resolvido; no entanto, nesta fase do processo, nesta escolha de espera prolongada, já esse exame teórico está feito; nada, então há a fazer.

Segundo a legislação em vigor, o candidato terá de realizar o seu exame prático de condução, no centro onde desenvolveu o exame teórico, a não ser na hipótese de alteração de residência para outra zona do país onde os servições do IMT sejam outros.

Tal como na saúde, também aqui uma legislação Simplex era essencial. Havendo uma “lista de espera” tão longa – em determinados centros do IMT, excedem aos 500 pedidos a aguardar data de marcação – deveria haver uma situação de exceção que permitisse recorrer a centros de exame privado.

Desta forma diminuiria-se a espera prolongada, permitia-se às escolas de condução trabalhar de forma diferente e mais organizada e aos candidatos de programarem melhor a sua formação em conjunto com a escola de condução.