Quais as vantagens de implementar o grafeno nos automóveis

Peça em Grafeno

O grafeno é um dos materiais mais revolucionários da atualidade. A sua utilização vai para além dos limites conhecidos. Na indústria automóvel parece estar um dos seus campos principais de desenvolvimento.

A necessidade é a principal motivação das grandes modificações tecnológicas. A contaminação ambiental, o consumo de recursos e a pouca eficiência energética são algumas das causas pelas quais o grafeno é considerado um super material. Um material que, com a sua utilização em distintos apartados da vida diária, eliminaria todas as desvantagens e problemas anteriormente mencionados.
Aqui ao lado, em Espanha, é onde decorrem algumas das mais importantes investigações com o grafeno como objeto principal, e de como a sua utilização nos automóveis se pode traduzir em vantagens significativas nos mais variados âmbitos. O grafeno propõe uma melhoria vanguardista nos carros.

Maior autonomia

As principais investigações no âmbito do grafeno nos automóveis têm a ver com a autonomia, o principal problema dos carros elétricos modernos. No ano passado, uma sociedade de trabalho integrada pela Universidade de Córdoba e a empresa Graphenano desenvolveram uma bateria para carros elétricos que continha grafeno no armazenamento.
Os resultados levaram a um dos avanços mais prometedores com a adição deste elemento: uma autonomia insuspeita para os carros elétricos, o que aumentaria a eficiência energétca deste método, prescindindo cada vez mais das energias provenientes de combustíveis fósseis. A bateria, produzida no país vizinho e desenhada pela universidade oferece uma autonomia de 600 Watts por cada quilograma oferecendo uma compressão de energia de 74% com comparação com as utilizadas pela Tesla no Model S, o carro elétrico mais popular do momento.
Por outro lado, disponibiliza um autonomia de 1000 km, 60% mais que a bateria elétrica de maior autonomia até ao momento. Assim, o grafeno poderia ser uma solução energética viavél a médio prazo.

Bateria em Grafeno

Resistência e durabilidade

Outro dos novos componentes de automóveis onde este material está a ser utilizado é no chassis. A coluna vertebral do carro é das zonas mais importantes, uma vez que permite manter a estabilidade e a segurança do mesmo em caso de colisão.
Incorporar grafeno no carro, em proporções de cerca de 2% (como já se faz em alguns protótipos) permitiria produzir um veículo com uma estrutura muito leve, mais estável e com uma resistência às colisões que aumentaria 50%. Caraterísticas que convertiram as partes do veículo em peças mais duráveis e resistentes.

Eficiência energética

O grafeno é condutor de energia até 200 vezes mais rápido que outros materiais utilizados nas cablagens e sensores dos automóveis. Por esta razão, o simples uso do grafeno no sistema elétrico que dá vida a todas as ferramentas do carro (sensores, ecrãs, sistemas de segurança, sistemas de audio…) permitiria aos fabricantes e aos utilizadores uma poupança de energia muito importante, dada a eficiência no transporte da mesma.
Os sistemas atuais de armazenamento de energia oferecem uma compressão próxima dos 160 watts por quilo, enquanto que na condução da dita energia se podem acontecer perdas de até 30%. Estes problemas podem ser resolvidos com a utilização do grafeno.

Segurança

Um dos automóveis modernos que já tem muito grafeno na sua conceção é o GTA Spano. Destaca-se por incluir este material no chassis e na carroçaria, uma combinação onde o grafeno tem uma importância vital. Uma situação que o transforma num material ideal para a blindagem, por exemplo, para suportar altas temperaturas e resistir a colisões fortes.
Por isso, a segurança é outra das vantagens na utilização do grafeno nos automóveis modernos, sobretudo de gama mais alta e também nos carros elétricos. E, ainda que sejam pequenos passos, a indústria automóvel parece estar a abraçar paulatinamente este material.

Fotos: Ford