O cor do veículo e a segurança rodoviária

Duarte Paulo_cores 2Quando vamos comprar um automóvel muitas vezes não ligamos muito à cor do veículo, é normal dar mais atenção às questões consideradas, como por exemplo saber, ou confirmar, se a marca é fiável? Se o modelo tem as características que necessito para o tipo de utilização que lhe pretendo dar? As opções que encomendei serão as que mais irei utilizar?

Depois chega a pergunta do vendedor “E qual é a cor que pretende?” E aí normalmente olhamos para o veiculo de demonstração ou para o catalogo e escolhemos a que nos agrada mais, assim dito parece simples.

Mas será que temos a noção que isso irá afetar a nossa rentabilidade quando pretendermos revender o carro que escolhemos? Que essa escolha afetará a probabilidade de estarmos envolvidos em acidentes? Que até a forma que as outras pessoas olham para nós enquanto condutores fica condicionada em parte pela cor do nosso automóvel.

Vamos por partes, em primeiro lugar a escolha da cor do veículo é pautada pelas suas preferências pessoais. Portanto, nada mais natural do que a cor e forma das suas roupas e acessórios, e demais opções nos objetos do dia-a-dia, até às suas opções culturais refletem a predileção de cada indivíduo. Essa panóplia de decisões afecta a escolha da cor do seu automóvel.

Psicologia da cor do veículo

Então a cor do seu carro genericamente mostra um pouco da sua personalidade… Se prefere a cor branca gosta de verdade, paz, limpeza e estímulo aos sentidos são atributos a quem prefere o branco. Se preferir o amarelo deverá ser um condutor jovial, alegre, otimista e capaz de tomar decisões segundo suas próprias ideias.

Se a sua preferência for o azul normalmente indica que prefere a quietude e é mais voltado à razão do que à emoção. Pode indicar também que é reflexivo, sereno e leal. Se a escolha for a cor preta transmite uma imagem de sobriedade, responsabilidade, respeito às normas, tradicionalismo e autoridade.

O verde é associado à harmonia, a cor traduz calma, tranquilidade e a busca pelo equilíbrio. O verde mostra que o condutor valoriza a segurança e a justiça. Já no caso do vermelho sugere alguém que gosta de chamar a atenção e de parecer forte. Revela uma pessoa que tem iniciativa, disposição e energia para agir, resolver problemas.

As cores preferidas por faixa etária

Mas a cor pode ser analisada pelas idades e pela maior preferência consoante a escala etária, o vermelho normalmente é o favorito até aos 10 anos, quando valorizamos a espontaneidade e a efervescência, o normal da juventude. Mudamos para tons laranja entre os 10 e os 20 anos onde procuramos aventura, excitação, imaginação e exploração.

O amarelo é o preferido entre os 20 e 30 anos de idade, época de maior arrogância, força, potência e vitalidade. Subindo mais 10 anos, para os 30 a 40, encontramos a cor verde, esta cor é associada à diminuição do fogo juvenil.

O azul é o favorito de quem tem entre os 40 e 50 anos, é a idade da inteligência e do pensamento. Dos 50 aos 60 anos, a cor é o lilás, associada à lei, ao juízo, ao misticismo. O roxo é o favorito de quem tem mais de 60 anos, simbolizando a benevolência, o saber e a experiência.

Cor do veículo e os acidentes

Os carros de cores escuras, em especial os pretos, têm maior probabilidade de se envolverem em acidentes, enquanto os automóveis de cor clara, especialmente os brancos, são os mais seguros, concluiu um estudo australiano já com alguns anos.
O centro de pesquisas de acidentes da Universidade Monash de Melbourne examinou a relação entre 17 cores de veículos e o risco de acidentes rodoviários. Ao analisar dados da polícia de dois Estados australianos, o relatório acabou apontando a existência de uma relação estatística significativa.

“Quando comparado com os carros brancos, as outras cores estão associadas ao maior risco de acidentes”, pode-se ler no relatório. “Estas outras cores são geralmente aquelas com menor índice de visibilidade e incluem a preta, azul, cinza, verde, vermelha e cinza. A hipótese de estar envolvido em acidentes sobe 12%.

Este estudo foi baseado em dados do Estado de Victoria envolvendo 102.559 condutores que se envolveram em acidentes, os veículos acidentados eram modelos fabricados entre 1982 e 2004, no Estado da Austrália Ocidental os dados compilados são de cerca de 752.699 condutores em carros construídos entre 1982 e 2004.

O meu caso

Bem, como já tive alguns carros, logo diversas cores – tive vários vermelhos, vários brancos, passando por bordeaux e azul. Ou seja, sou alguém que gosta de chamar a atenção, de parecer forte, revelo iniciativa, disposição e energia para agir, para resolver problemas, mas também gosto de verdade, paz, limpeza e estímulo aos sentidos, prefiro a quietude, mais voltado à razão do que à emoção, sou também reflexivo, sereno e leal.

A minha idade, seguindo os padrões de preferência das cores varia entre inferior a 10 anos e até aos 40 a 50 anos Segui o que indico no inicio do texto, quando comprei olhei sempre para a marca e para o modelo e as necessidades que tinha no momento da compra, confesso que nunca pensei muito na cor. Resumindo, acho que sou um camaleão… pronto, sou complexo!

  • Silvio

    Eu gosto de carro preto, como a cor é atangônica à cor branca presumo que significa que eu goste de sujeira, violência e mentira.

    • Duarte Paulo

      A cor preta é mencionada no texto “(…)a cor preta transmite uma imagem de sobriedade, responsabilidade, respeito às normas, tradicionalismo e autoridade”.