Câmara do Porto quer mortalidade zero nas estradas até 2021

A autarquia do Porto quer diminuir os acidentes com vítimas em 30% nas vias sob sua jurisdição e, ao mesmo tempo, reduzir a zero o número de fatalidades.

A Câmara Municipal do Porto aprovou por unanimidade o “Plano Municipal de Segurança Rodoviária” (PMSR) do concelho, o qual estabeleceu como meta alcançar, até 2021, zero mortos na rede viária municipal e reduzir 30% dos acidentes com vítimas.

Colocando esta meta em números mais palpáveis, temos, assim, como meta reduzir o número de acidentes com vítimas nas vias sob gestão do município de 756 para 529.

Para atingir estas metas, a autarquia pretende implementar várias medidas, entre as quais o cadastro digital, a elaboração e publicação da “Carta Municipal de Sinistralidade Rodoviária”, a georreferenciação dos acidentes e o diagnóstico das áreas de atravessamento.

Estas são a síntese das medidas que a Câmara Municipal do Porto pretende aplicar:

No quadro do Plano Municipal de Segurança Rodoviária (PMSR), está ainda prevista a criação de uma estrutura autónoma constituída por três entidades: o “Observatório Municipal de Segurança Rodoviária“, a “Estrutura Técnica de Apoio ao Observatório Municipal de Segurança Rodoviária” e o “Conselho Consultivo do Plano Municipal de Segurança Rodoviária“.

As ações que o PMSR deverá colocar em prática irão ter um custo global de cerca 1,85 milhões de euros/ano, com um maior valor desta verba a destinar-se a efetuar intervenções em infraestruturas.

Este PMSR bebe inspiração nos princípios estabelecidos pelo “Plano Estratégico Nacional de Segurança Rodoviária” (PENSE 2020) de que aqui no Circula Seguro já falamos.

Segundo os dados do PMSR, cerca de 57% dos acidentes com vítimas no Porto ocorreram em apenas duas dezenas de artérias, com particular enfoque para as avenidas AEP e da Boavista.

Identificação dos 20 arruamentos com maior acumulação de acidentes com vítimas em 2017, no Porto.