Toda a informação que o seu carro sabe sobre si e envia a terceiros

Condução autónoma

Há cerca de quatro anos a ADAC descobriu que um BMW Série 3 armazenada uma grande quantidade de dados do proprietário do veículo.

Não conseguiram provar que estes dados foram transmitidos a terceiros, mas os mesmo que revelam muito dos condutores, não só atentam contra a intimidade de alguém como podem ser muito valiosos para as empresa atuais Desta forma ficam a conhecer horários, rotas habituais, empresas, gostos musicais e alimentícios, interesses comerciais e planos de futuro.
Vivemos na era do big data. Os dados que revelam os nossos gostos, movimentos e desejos são de grande valor para as empresas de marketing. Querem saber como nos movemos ao detalhe. Lembra-se dos cookies da internet? Tudo para oferecerem serviços e produtos personalizados. Portanto, também podem ser muito úteis para os amigos do alheio, para aqueles que desejam conhecer os nossos movimentos e aproveitar um descuido.

Sistemas de rastreio

Ainda que a condução autónoma esteja anunciada para os próximos anos e já há projetos que falam do veículo conectado, a realidade revela que os nossos carros já estão conectados. Há sistemas que podem dar muita informação sobre nós.
Posicionamento GPS – Os navegadores não só ajudam a chegar ao nosso destino, mas também deixam rasto do caminho que fazemos.
Sistemas de infoentertenimento – Ao memorizar emissoras de rádio, guardar música ou regular as nossas preferências em questões de climatização ou iluminação, estamos a dar a conhecer os nossos gostos.
Sistemas de emergência e-Call – O veículo chama a emergência em caso de acidente. O geolocalizador que tem indica a nossa localização e transmite-a para que a ambulância chega até nós rapidamente. E este não só funciona quando temos um acidente, mas também como assistente pessoal de alguns veículos.
Caixas negras – Há veículos que já dispõem de uma caixa negra que gera as conversas, o posicionamento, a condução e o que acontece no interior do carro para perceber o que se passou em caso de acidente. Estes dados, incluindo conversações, poderiam ser transmitidos e não eliminar os tempos previstos.
Transponders – Úteis para o trânsito em autoestrada (detetam a via de pagamentos e levantam a cancela quando nos aproximamos, retirando o dinheiro da conta), mas também contém informação nossa como dados bancários, sempre apetecíveis para algumas pessoas.

Carros autónomos

Venda de dados

Já existe uma empresa que se dedica a vender dados recompilados dos próprios veículos. A Otonomo autointitula-se como a primeira empresa que se dedica à comercialização de dados recompilados de automóveis conectados. Começou a sua atividade em 2015 e diz que são as próprias marcas que lhes passam os dados em bruto que retiram dos seus veículos.
A Otonomo dedica-se a analisá-los. Assim descobrem a utilização, os gostos e as preferências dos seus clientes para lhes oferecer no futuro veículos e serviços mais próximos dos seus interesses. Estes dados também são vendidos a terceiros para que te ofereçam serviços e aplicações que beneficiem os condutores, passageiros e municípios, empresas e o ecossistema de transporte global.
A consultora Juniper Research entende que em 2023 haverá 775 milhões de automóveis ligados. E os dados que compilam a partir deles teram um potencial de preços de 230 milhões de euros.

Fotos: Bosch