Neste inverno avalie o rasto dos pneus

Michelin

Um automóvel é um veículo composto por diversos componente, muitos deles de desgaste e que necessitam de substituição. Muitos desses componentes  não se encontram à vista desarmada, no entanto outros há que se veem muito bem, mas o nosso conhecimento não nos permite observá-los como realmente o deveríamos fazer.

Um dos componentes e consumíveis que o nosso automóvel tem são os pneus. Esses “sapatos” do veículo que têm a função de ligar todo o resto ao pavimento. E os pneus têm uma função muito especifica na segurança rodoviária. A sua essencial função é garantir que o veículo se desloca pela trajetória definida pelo condutor, suporta de forma ideal o peso do veículo e permite uma dissipação de energia capaz de o fazer parar em espaço útil.

O desgaste dos pneus

Os pneus de um automóvel ligeiro, como já foi aqui abordado no tema “Como ocorre a aquaplanagem“, estão sujeitos a um desgaste devido ao rolamento. Acontece que os condutores, por norma, apenas fixam a sua atenção na medida minima do rasto dos pneus exigida por lei. Medida essa que, em Portugal, se encontra no valor de 1,6 milímetros.

Mas vamos recuar um pouco e perceber a real importância de não olhar apenas para o estado atual do rasto dos pneus, mas sim olhá-lo de uma forma comparativa com, por exemplo, o ano anterior. Quando compramos um pneu, devemos em primeiro lugar perceber qual o que me serve. Para isso podemos recorrer ao site da Michelin e verificar todas características que os diversos pneus têm.

Após escolhermos o pneu que melhor se adapta ao que queremos, devemos perceber que esse pneu é novo, logo tem um rasto que permite escoar uma elevada quantidade de água pelos seus sulcos de drenagem de água. Acontece que com o normal uso do pneu, ele vai ter um desgaste ao longo do ano que lhe vai diminuindo a capacidade na quantidade de água que vai drenar. Ou seja, no inverno seguinte àquele em que o pneu foi adquirido, se fizermos uma medição ao rasto dos pneus, verificamos que a altura do mesmo é menor, naturalmente.

Michelin

Se até aqui não há novidades, elas aparecem posteriormente. Mentalmente estamos certos que o pneu está dentro das normas. O importante para grande parte dos condutores é estarem dentro da lei para que a policia não possa autuar. Mas, esquecem-se do essencial; continuará aquele pneu capaz de me garantir a segurança que pretendo e necessito ter?

Se quando eu compro um pneu tenho uma garantia de que este está capaz de drenar uma quantidade de água elevada ao circular por uma possa a uma determinada velocidade, mentalmente o condutor continua convencido que isso mesmo se passará um ano ou dois após ter adquirido esse pneu. E está convencido disso, apenas porque o rasto dos pneus está dentro dos limites que a lei impõe. Os tais 1,6 milímetros.

Acontece que, se um pneu novo tiver 5 milímetros de rasto, ele vai ter um canal de drenagem  muito superior a um pneu já desgastado e com apenas 1,7 milímetros de rasto dos pneus. Na abordagem a uma quantidade de água à mesma velocidade de 80 km/h, o pneu desgastado, ainda que dentro dos limites impostos por lei, tem uma forte probabilidade de entrar em aquaplanagem. Na mente do condutor, tal nunca seria possível, pois o pneu ainda se encontra dentro dos limites impostos por lei.

Neste inverno, tenha o cuidado de perceber como podem ainda os pneus que tem instalados no seu automóvel garantir a sua segurança. Para tal, deve recorrer a uma oficina da especialidade e questionar os profissionais sobre essa mesma capacidade. Não deixe para quando necessitar que os pneus façam a sua função e na verdade não tenham capacidade para a executar.

Foto¦ Michelin