O seu futuro carro terá DSRC / WAVE (3/3)

cadillac-v2v-demonstration-1

A União Europeia (UE) tem o objetivo de reduzir, até 2020, para metade o número total de mortes na estrada na UE em comparação com 2010, e apela a novos objetivos claros e mensuráveis a ser definido para o mesmo período, com,o por exemplo, uma redução de 60% no número de crianças, com idade inferior a 14 anos, mortos em acidentes de viação.

O apelo do Parlamento Europeu pretende definir, a longo prazo, a prevenção de todas as mortes na estrada, a chamada “Visão Zero”, a UE está a começar o trabalho de transformar esta visão em realidade. Saiba como o DSRC / WAVE, através da comunicação de veículo para veículo (V2V) pode ser a ferramenta para alcançar esse objectivo e como será necessário mudar a forma como encaramos os acidentes.

A mudança do paradigma da segurança

A decisão de avançar com a tecnologia DSRC / WAVE marca mais um passo na estratégia de mudança dos governos, tanto da UE como dos EUA, para tornar as estradas mais seguras. Os reguladores passaram as últimas quatro décadas, enfatizando os meios para evitar os ferimentos e fatalidades pessoais, através dos tradicionais cintos de segurança, airbags e estruturas deformáveis, que ajudam os passageiros a sobreviver aos acidentes.

Os reguladores ultimaram dezenas de regras de desempenho ao longo das últimas quatro décadas e têm continuamente revisto seu programa de teste de colisão de cinco estrelas para orientar os compradores para os carros que tem mais probabilidades de mantê-los seguros em caso de se envolver num acidente.

Mas quanto mais seguros se tornam os carros modernos, mais difícil é continuar a reduzir as taxas de sobrevivência a acidentes através da capacidade de não magoar os ocupante ou transeuntes. Agora a é necessário mudar o paradigma.

“Enquanto a indústria automobilística tem feito grandes progressos para reduzir as mortes e os ferimentos depois de um acidente”, disse Scott Belcher, presidente da Intelligent Transportation Society of America, “a próxima grande evolução é permitir a comunicação, em tempo real, entre veículos e com o mundo ao seu redor, assim os acidentes podem ser evitados em primeiro lugar.”

Planos das construtoras de automóveis

Para que a nova tecnologia possa ser útil, os carros terão de falar uma linguagem comum, de modo que, por exemplo, um Honda pode comunicar com um Hyundai ou um BMW. Mas as construtoras estão colocando o seu próprio selo sobre tecnologia DSRC / WAVE, personalizando os sistemas que eles usam para avisar os condutores de uma situação perigosa.

A maioria dos fabricantes de automóveis depende de sons e símbolos de advertência no painel de instrumentos, outros, como a Mercedes-Benz, também usam luzes piscando. A General Motors detém uma patente sobre um banco com vibração que pode notificar o condutor de perigo, enquanto a Ford possui um volante que treme.

Como já referi noutro artigo, os sistemas de aviso deverão ser estandardizados, para que um condutor que mude de um carro de um fabricante para outro, possua ou não algumas limitações de utilização de tecnologia, possa facilmente identificar como um alerta de perigo os sons, luzes indicadoras ou “tremelicos” do banco.

Outras aplicações e perigos do DSRC / WAVE

Os reguladores e os fabricantes de automóveis também estão pensando em outras maneiras que DSRC / WAVE “poderiam ser utilizados para fins além de segurança”, diz Richard Bishop, que liderou um programa de automação de veículos no Departamento de Transporte americano, na década de 90. Por exemplo, a nova frequência sem fio pode ser usado para cobrança de taxas com base no número de quilómetros que cada um viaja, em vez de impostos diretos sobre a gasolina e o diesel.

Para alguns, apesar dos seus benefícios potenciais em segurança rodoviária, a tecnologia vai criar alguns riscos de privacidade e segurança, assim como aconteceu com a disseminação de telefones celulares que estão expostos a riscos que não existiam com linhas terrestres. Apesar dos melhores esforços de engenheiros do governo e da indústria, o DSRC / WAVE pode criar uma lacuna que pode ser aproveitada por hackers e tem um risco de violações de privacidade.

Os legisladores estão preocupados. Durante uma audiência de maio do ano transato, o presidente do Comitê de Comércio do Senado dos Estado Unidos, Jay Rockefeller, perguntou se as comunicações sem fio podem permitir a “miúdos de 14 anos, na Indonésia, de desligar o meu carro remotamente?”.

Bishop, que agora trabalha como consultor em carros automatizados, diz que o risco não é tão grande quanto o risco de telefones celulares, porque as pessoas carregam seus telefones onde quer que vão e porque armazenar telefones informações pessoais mais sensíveis. Mas ele disse que as construtoras automóveis e engenheiros do governo devem assumir o risco como sério.Nada é hermético,” Bispo diz, “mas isso é o mundo em que vivemos.”

Foto | Cadillac