A24: Câmara denuncia riscos e IMT vai fazer inspeção de segurança

A Câmara de Vila Real anuncia desde 2015 a diminuição de condições de segurança na A24. O IMT já anunciou que vai fazer uma auditoria de segurança à via.

Desde novembro de 2015 que a Câmara Municipal Vila Real em alertando para o facto de a autoestada A24 (Viseu-Vila Verde da Raia, em Chaves) ter algumas zonas no seu traçado que representam maior risco para a circulação automóvel.

Com a aproximação de mais um inverno, a autarquia lançou agora uma campanha em que, publicamente, chama a atenção dos cidadãos para esses perigos se circularem por esta via.

“Não aceitamos estradas de segunda! Das mais caras do país, nós de acesso não iluminados, sem apoio noturno, limpa neves insuficientes”. Esta é a mensagem que foi colocada num “outdoor” situado junto da A24 e colocado pela Câmara de Vila Real.

Nos últimos três anos, a Câmara de Vila Real tem dado conta da diminuição das condições de segurança na A24, insurgindo-se contra o que classifica como “decisões insensatas” e sublinhando que “os fatores de segurança deveriam estar sempre subjacentes a qualquer operação deste género”.

Segundo o presidente da autarquia, Rui Santos, “este cartaz significa indignação, significa informação e, uma vez mais, uma chamada de atenção para o Governo”.

O presidente da Câmara de Vila Real explica que, no âmbito da renegociação do contrato de exploração da A24, foi desligada a iluminação dos nós de acesso das localidades, foram reduzidos os limpa-neves para metade e os carros de assistência, durante a noite, passaram a funcionar apenas à chamada.

A partir daquele momento, de acordo com o município, verificou-se:
Remoção, da quase totalidade, dos postos SOS ao longo do traçado (Viseu-Chaves-Viseu);
Remoção na totalidade, da iluminação em todos os nós de acesso e saída;
Remoção total dos painéis de informação de condições atmosféricas adversas;
Redução dos limpa-neves para metade, passando de 8 para 4;
Redução do “patrulhamento” de apoio a avarias e acidentes, passando de duas equipas para uma equipa, que no período noturno apenas é ativada por chamada.

“Com estas alterações ficou seriamente comprometida a organização operacional desta autoestrada, comprometendo claramente a segurança dos seus utentes. O município lamenta ter que recorrer a estas medidas, mas espera que sirvam para que as entidades responsáveis corrijam este grave erro”, afirma esta autarquia.

A campanha de alerta é iniciativa da Câmara de Vila Real, mas conta com o apoio da Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM Douro), que agrupa 19 municípios.

IMT anuncia auditoria

Coincidência ou não, o facto é que o Instituto de Mobilidade e Transportes anunciou a realização de inspeções de segurança rodoviária quer à A24, quer ao IC8.

Assim, no âmbito das suas atribuições em matéria de promoção da qualidade e segurança das infraestruturas rodoviárias, e para além de assegurar a execução do seu plano anual de inspeções, o IMT “decidiu realizar inspeções de segurança rodoviária a estradas em que se registaram recentemente acidentes graves, como é caso do IC8, ou em relação às quais foram publicamente levantadas dúvidas em matéria de segurança rodoviária, como é o caso da autoestrada A24. De todo o modo, deve ser registado que em nenhuma destas vias se verificaram pontos negros de sinistralidade em 2015, em 2016 e em 2017”, declara esta entidade.