Auto-estradas – manutenção, sinalização e fiscalização

Auto-estrada - Manutenção, sinalização e fiscalização

Foi no Governo de António Guterres que Portugal efectuou um grande investimento nas infraestructuras rodoviárias portuguesas. Portugal esteve durante anos refém de vias rodoviária inqualificáveis, inacabadas e que em nada favoreciam a segurança rodoviária.

Com esse investimento, surgiram as auto-estradas em maior número, terminou-se a ligação da A1 entre Lisboa e Porto, assim como foram construídos Itinerários Principais, vias muito idênticas a auto-estradas e que tinham a função de ligar o litoral marítimo ao litoral interior.

 Manutenção e segurança rodoviária

Tem-se verificado, de quando em quando, que as auto-estradas portuguesas têm sido alvo de intervenções de manutenção por parte das concessionárias que as exploram. Mais não era exigível, uma vez que quem nelas quer circular tem de pagar um bom preço. Logo impõem-se que assim seja.

Algumas são as vezes em que as intervenções de manutenção das auto-estradas exigem que seja cortada ao transito as vias num determinado sentido, passando ambos a fazerem-se na mesma faixa de rodagem, contudo, com a devida sinalização de separação dos referidos sentidos de trânsito.

Partindo-se do principio que essa sinalização é suficiente para garantir a segurança rodoviária no troço que é utilizado nos dois sentidos de trânsito, a verdade é que existem condutores que não olham a diminuição da segurança que se proporciona no curto troço utilizado e não adaptam o seu comportamento rodoviário à nova realidade.

Uma vez que tal acontece, seria admissível e desejável que ao longo desse troço de auto-estrada em utilização temporária houvessem agentes de fiscalização, nomeadamente BT-GNR, de modo a dissuadirem os eventuais infractores a o serem e deste modo aumentarem exponencialmente a segurança rodoviária do local.

Afinal, ainda que essa alteração seja temporária, não se pode deixar de verificar que os utilizadores dessas auto-estradas continuam a pagar a sua utilização, logo requerem a maior segurança possível.