O nevoeiro e a circulação rodoviária

O nevoeiro na segurança rodoviária

As alterações climatéricas que o planeta Terra está a sofrer, têm tido fortes influências na “normalidade” das estações do ano. E se por esta ocasião o “normal” seria haver chuva, a verdade é que estamos com dias de nevoeiro matinal intenso e temperaturas bastante baixas.

A cada dia que passa, a via pública e especialmente as faixas de rodagem de tantas e tantas estradas por esse Portugal fora, se enchem de viaturas, independentemente se está sol, chuva ou nevoeiro, se é de dia ou é entardecer com a noite a espreitar.

Uma caixa de nevoeiro par aquele condutor

Quando acordamos, pela manhã, para nos prepararmos para irmos trabalhar, para quem trabalha de dia, claro está, temo-nos deparado com imenso nevoeiro que nos vai afectar, inevitavelmente, a condução quando nos fizermos à estrada.

Olhamos os noticiários, ou escutamo-los via rádio, e percebemos que quando as condições atmosféricas não estão favoráveis, por condicionalismos do nevoeiro, a sinistralidade rodoviária aumenta. E isso acontece por descuido, essencialmente, dos condutores.

O nevoeiro não cai sobre a faixa de rodagem como quem despeja uma caixa dele. Ele surge, está lá e com ele temos de conviver. Assim, ao verificarmos a existência desse nevoeiro, devemos adoptar um tipo de condução enquadrado com essa realidade, ou seja, adaptar a velocidade, diminuindo-a e aumentando a distância de segurança. Também a utilização das luzes é essencial.

Muitos acidentes dão-se, porque os condutores abordam um foco de nevoeiro com a mesma velocidade e intensidade com que circulam fora dele. Quando já dentro do manto se apercebem da fraca visibilidade, travam, numa diminuição súbita de velocidade, sem perceberem quem transita atrás de si.  Assim, sugere-se que, hoje, tal como amanhã, em condições de nevoeiro, circule com precaução.

Foto¦ Ponto no Desporto