Projectar vias, olhando a segurança de todos os utilizadores

Projectar vias, olhando a segurança de todos os utilizadores

Já, por diversas vezes, trouxemos a este espaço a questão da importância de se projectarem as vias de comunicação rodoviárias, de modo a garantir uma segurança efectiva de todos os seus utilizadores, assim como garantir, dentro dos possíveis, pontos de fuga em eventual situação de conflito eminente.

E se da segurança rodoviária são parte integrante as vias de comunicação terrestre, então ao serem projectadas, devem sê-lo por pessoas profissionais e competentes, capazes de desenvolver estratégias e arquitectar opções facilitadoras do desenrolar da acção rodoviária.

As vias são um meio de chegar e não de ficar

Seja em que contexto for, dentro de localidades, estradas nacionais ou auto-estradas, as vias devem estar equipadas com realidades que facilitem a circulação de quem as utiliza, sejam esses utilizadores condutores ou peões. No entanto, o que se verifica é exactamente o contrário; situações de perigo eminente.

Nas imagens que aqui hoje se apresentam, pode verificar-se uma realidade bastante comum em qualquer meio de circulação rodoviária. Vias equipadas com sistemas de drenagem de águas pluviais, sem que esteja garantida a segurança dos demais utilizadores, assim como acessos a propriedades inadequados à segurança do meio rodoviário.

Se houver necessidade de alterar ligeiramente a trajectória para evitar algum atropelamento ou embate num outro veículo que circule em local menos apropriado, o veículo que tiver de alterar essa trajectória mais para a direita, irá entrar em despiste, com consequências devastadoras. Urge corrigir estes erros.

DSCF2675