Tudo o que deve saber para alugar um carro nestas férias

O Circula Seguro dá-lhe algumas recomendações para alugar um carro nas férias (e não só) sem ter problemas e surpresas desagradáveis.


Com a chegada do verão, começa o maior período de férias para a maioria dos portugueses. É uma época em que aproveitamos para viajar, fazer excursões, escapadelas à praia, à terra, e por aí fora. Ainda que alguns apostem em viagens de avião, autocarro ou comboio, há muitos que preferem desfrutar dos dias livres ao volante.
O automóvel é, sem dúvida, a melhor opção se pretender viajar e explorar a fundo um determinado local. Por isso, os serviços de aluguer de automóveis acabam por ser muito úteis. Contudo, convém que sejamos precavidos se não queremos ser enganados com o preço a pagar. É uma época de grande procura e, se não quiser que as suas férias “vão por água abaixo” por alguns problemas com o carro de aluguer, seguem alguns conselhos que o Circula Seguro lhe dá neste artigo.

1 – Primeiro que tudo, convém ser precavido

Na hora de planificar e de reservar uma viagem, o essencial é fazê-lo com alguma antecipação. Senão, corremos o risco a pagar muito mais pelo menos serviço. É algo que acontece com frequência com as reservas dos apartamentos, dos hoteis, dos vôos e, claro está, também dos automóveis de aluguer. Se o fizer com tempo, pode conseguir o melhor carro, aquele que melhor se adapta às suas necessidades, pelo melhor preço.

2 – Leia o contrato com atenção

Esta é uma questão muito importante e é precisamente a ela que deverá prestar mais atenção. Quando aluga o carro, é melhor certificar-se de todas as cláusulas que vêm descritas no contrato. Na maioria dos contratos existem aumento de preço para condutores com menos de 25 anos ou sem experiência. Tente perceber se tem de pagar mais para adicionar um condutor ou se o contrato contempla um suplemento económico ou ainda, o pior de tudo, quanto terá de deixar de caução, valor que fica retido no seu cartão de crédito e que depois pode ser utilizado pela companhia em caso de acharem que provocou algum dano ao veículo… e é esta a situação mais delicada.
Informações do contrato
Leia as letras pequeninas antes de assinar o contrato. Se não tem a certeza do que vai assinar, exija que lhe expliquem os termos que suscitam dúvidas.
Informe-se ainda sobre:
– a caução, que pode ser elevada;
– as condições de cancelamento. Algumas empresas de rent-a-car aceitam fazê-lo num curto espaço de tempo sem impor comissões, mas outras são menos generosas;
– o que fazer em caso de avaria ou danos que não sejam da sua responsabilidade;
– o abastecimento. O ideal é entregarem-lhe o veículo com o depósito cheio e exigirem-lhe que devolva da mesma forma, mas as políticas variam;
– se o excesso de carga tem um custo à parte, passível de ser reduzido caso contrate uma cobertura extra.
Assine o contrato escrito em duplicado. O original fica com a empresa e a cópia consigo. No documento devem constar a identificação da companhia de rent-a-car, do consumidor e do veículo, o preço, os serviços abrangidos e os valores entregues (como a caução). Confirme se inclui o local e o horário para a devolução. O contrato pode ser feito ao balcão da empresa, junto de um operador com quem esta tenha acordo ou numa agência de viagens. Mas também é possível fazê-lo pelo telefone ou pela net.

3 – Conheça as condições do seguro

Todos os carros de aluguer contam com um seguro para sua utilização. Todavia, as coberturas que oferecem não são suficientemente amplas. Assim, antes de fazer a sua reserva e utilizar o veículo é essencial comprova o tipo de seguro a que está sujeito.
Se ao ler as cláusulas, perceber que não o protegem dos riscos que necessita de cobrir, poderá sempre contratar um seguro adicional. Não se esqueça que a opção mais acessível nem sempre é a melhor. Coloque os prós e os contras na balança. Nos carros de aluguer acontece com frequência optar pelo mais barato e depois ter problemas… e precisar de pagar mais.

4 – Cuidado com a política de combustível

Hoje em dia existem diversas formas de chegar a acordo por causa do nível do depósito de combustível quando recolhemos e entregamos o carro de aluguer. O mais comum é recolher o carro com o depósito cheio e entregar no mesmo estado. Se entregarmos com menos combustível, pagamos a diferença com um preço por litro que a empresa delinear.

5 – Comprove o estado do veículo na hora de o levantar

É muito importante fazer uma revisão de todos os elementos do veículo de aluguer antes de começar a sua viagem. Se ao fazer esta vistoria encontrar mossas, arranhões, riscos e toques, convém de imediato dar conhecimento à empresa. Se não verificar nada disto, corre o risco de, quando entregar o carro, lhe digam que tem de pagar por determinado toque, mossa ou risco.
O modo mais simples de evitar estes custos adicionais é fazer fotografias do veículo, tanto do interior como do exterior.

6 – Conduza com precaução

Esta parte do “contrato” está diretamente relacionada com a anterior. Tal como não devemos pagar a mais por um risco ou mossa que não fomos nós que fizemos, é importante que consigamos conduzir de forma responsável e evitemos correr riscos que possam provocar danos ao veículo.
Atenção aos radares
É preciso estar atento às normas e às regras da via onde circulamos, respeitando semrpe os limites de velocidade. Mesmo sendo um carro de aluguer, somo nós que assumimos o valor das multas.

Fonte: Deco Proteste