Diz sim às luvas para andar de bicicleta: Guia básico para eleger as melhores

Duarte Paulo

17 March, 2020

As luvas oferecem uma proteção multifuncional que não se limita somente às mãos

2020Mar17

O capacete é sem dúvida um dos elementos essenciais para a nossa proteção quando andamos de bicicleta. No entanto, não é o único. Ao usar este meio de transporte, para que o faça com segurança, deverá seguir uma série de recomendações, tão simples quanto cruciais. Um deles é o uso de luvas. A importância do seu uso geralmente não é tão acentuada quanto merece.

As luvas oferecem uma proteção multifuncional. A sua proteção não se limita às mãos, mas a todas as ações que podemos fazer enquanto andamos de bicicleta. O seu uso ajuda a aumentar a segurança dos ciclistas e, portanto, contribui para reduzir a taxa de acidentes. É relevante pois este é de um dos grupos que apresentou os piores resultados em termos de mortes e lesões.

Estas estatísticas são calculadas especialmente no que diz respeito às estradas urbanas. A compreensão dessa nova realidade envolve considerar todos os fatores que atualmente se misturam ao ciclismo urbano, mas essencialmente dois, a saber:
Aumento do número de ciclistas (incrementado pelas vantagens do ciclismo como meio de mobilidade sustentável)
Sensação de insegurança regulatória e consciência necessária para aumentar a coexistência recíproca entre bicicletas e outros veículos.

O que as luvas têm a ver com a segurança do ciclismo?

As luvas desempenham um papel modesto em todo esse panorama, mas não são pouco importantes. Sua relevância pode ser diluída quando integrados no restante equipamento para ciclismo. No entanto, sua necessidade merece mais do que uma atenção mínima (talvez semelhante à que os motociclistas dedicam às luvas) na linha da que temos com o capacete ou a visibilidade.

Deverá ter pelo menos um par de luvas para os meses de verão e outro par para os meses frios

Para saber que tipo de luvas necessitamos, devemos prestar atenção à variedade de bicicletas que usamos e que tipo de ciclismo praticamos. Os ciclistas que usam a bicicleta em suas diferentes modalidades sabem muito bem a diferença que um bom par de luvas faz.

Basta ver que esses ciclistas estão bem cientes das diferenças que existem entre circular na estrada ou no BTT. Portanto, se pensarmos sobre esses tipos de usos, devemos levar em consideração vários fatores. Para começar, precisamos ter pelo menos um par de luvas para os meses de verão e outro par para os mais frios.

É nas luvas de inverno que encontramos as maiores diferenças entre uma prática e outra, e não apenas por causa de seus desenhos. Se a aderência e o grau de aderência que a luva proporciona são fundamentais na estrada, no todo-o-terreno ela aumenta ainda mais. Literalmente é de importância vital, especialmente se nos aventurarmos por caminhos técnicos e experimentais.

O fato do ciclista urbano não pensar nesse tipo de percursos não prejudica o uso de luvas em cidade. O tráfego entre veículos e ruas complicadas com mau piso também tem sua própria “técnica”. A luva ajudará a garantir aderência adequada para essas situações.

A relevância das luvas no inverno

Como mencionamos, a temperatura e o clima impiedoso atacam especialmente certas áreas do corpo quando andamos de bicicleta. Assim, parece essencial proteger a cabeça, mãos e pés do frio. Muitos ciclistas experimentaram a sensação horrível e circulam com as mãos congeladas e suas possíveis consequências. Embora circulemos a uma temperatura aparentemente quente, a sensação térmica coloca uma temperatura real muito mais baixa na mão.

Com base nisso, corremos o risco de os músculos da mão ficarem dormentes e até experimentar uma sensação de congelamento. Isso ocorre mesmo quando o termómetro mostra temperaturas aparentemente amenas. Isso limita o movimento no momento, por exemplo, de travar ou manobrar o guiador. A única maneira de evitar isso é nos proteger com luvas adequadas.

Os ciclistas que circulam em estrada mencionam que quando viajam em velocidades mais elevadas, sentem as penúrias de não ter proteção suficiente contra o frio. Isso pode condicionar sua segurança em certas ocasiões, como ao descer uma zona de montanha.

Tamanhos e tecidos para luvas

Ao comprar devemos prestar atenção ao tipo de tecido com o qual são fabricadas as luvas

Naturalmente, todos os tipos de luvas coexistem no mercado. Para escolhê-los, devemos estar cientes, como já foi referido, do tipo de ciclismo e das épocas do ano em que andamos de bicicleta. Alguns estabelecimentos especializados, de fato, costumam distinguir entre luvas para cada estação e especialidades.

Caso contrário, você deve fazer esse trabalho de distinção por si mesmo. No momento da compra, existe outro pormenor muito relevante. Deve-se verificar se o tamanho da luva é adequado, se a peça é ajustada a cada dedo sem folgas e, ao mesmo tempo, sem restrições. Ambos podem trazer um risco adicional, limitando os movimentos das mãos.

Podemos prestar atenção ao tipo de tecido com o qual são fabricados. Isso fará a diferença no uso entre as várias estações. Existem luvas que combatem as temperaturas mais baixas ou proteção contra o vento. Outras possuem um certo grau de impermeabilidade. Existem ainda modelos mais leves apropriadas para os meses mais quentes.

Vale a pena avaliar o que mais priorizamos, seja uma proteção maior contra o frio ou uma maior sensação de liberdade na mão. Obviamente, seu preço pode subir em maior ou menor grau, dependendo dos materiais utilizados para sua produção.

A proteção em caso de queda

A propósito, as luvas de bicicleta também são para usar no verão. Embora o frio não ameace, outras circunstâncias, como o suor, dificultam a aderência com o guiador da bicicleta, podem fazê-lo. Além disso, as luvas preservam a saúde de nossas mãos em caso de queda, tanto no inverno quanto no verão.

Nos meses mais quentes, cair sem luvas, mesmo a uma velocidade moderada, no asfalto quente é garantia de abrasão. Uma luva, não importa quão leve, ajuda a prevenir ou reduzir a gravidade desse tipo de lesão.

O trabalho das luvas é evidente para todos os tipos de situações e ciclistas. Portanto, não há escolha a não ser adicioná-las à lista de elementos básicos para preservar a segurança das bicicletas junto com o capacete, a iluminação ou a manutenção de elementos como os pneus.

Imagens | iStock / Manuel-F-O, iStock / Halfpoint e iStock / UfukSaracoglu

--

Uma iniciativa da: