Euro NCAP alerta sobre os riscos do piloto automático em carros semi-autónomos

André Gomes

23 March, 2020

O piloto automático dos automóveis ainda não é sinónimo de termos um veículo 100% autónomo. Não esqueça para não facilitar!

A condução autónoma revolucionará a segurança rodoviária. No entanto, é um marco para o qual é aconselhável avançar com muita cautela. O alerta é lançado por organizações como o Euro NCAP, após a realização de pesquisas nas quais descobriram que 70% dos condutores inquiridos pensam que já é possível comprar um carro com autocondução. E esta má perceção da realidade pode levar à ocorrência de acidentes graves. Mas para o Euro NCAP, os riscos não acabam nessa ignorância.

Os construtores estão envolvidos numa verdadeira corrida em direção à condução autónoma, mas as tecnologias disponíveis neste momento não são todas iguais, o que faz com que seja altamente recomendável que se distinga os diferentes tipos de sistemas autónomos.

Conduzir com assistência não é o mesmo que guiar em modo totalmente autónomo, existindo ao todo seis níveis hierárquicos de automação.

piloto automático

Especialistas duvidam do piloto automático

As chamadas tecnologias de condução semi-autónoma podem, em termos práticos, gerar nalgumas situações indecisões nos tempos em que a inteligência do veículo deve assumir os comandos e o papel que os condutores devem desempenhar em toda essa questão.

O Euro NCAP iniciou em 2018 uma análise aprofundada com o objetivo de evitar determinadas situações de risco relacionadas com o desenvolvimento de sistemas como o piloto automático.

O estudo mais recente, #TestingAutomation, produzido em conjunto com a Global NCAP e a Thatcham Research, descobriu situações potencialmente perigosas quando se trata de usar o piloto automático (conhecido por vários nomes como Autopilot, Pro Pilot, etc.) em vias rápidas.

#TestingAutomation ou o piloto automático a ser examinado

O trabalho de pesquisa do Euro NCAP destaca o facto de que um em cada dez automobilistas da amostra tentaria “tirar uma soneca” graças ao uso dos pilotos automáticos ativados acima mencionados nas autoestradas e vias rápidas.

Num relatório independente, a autoridade europeia de segurança rodoviária ETSC alertou a Comissão Europeia para implementar um roteiro consistente que evite os riscos que o excesso de confiança dos automobilistas nessa tecnologia produzirá.

Nas palavras do diretor de pesquisa de Thatcham, Matthew Avery, “alguns construtores estão a projetar e a promover veículos de tal maneira que os condutores acreditam que podem delegar o controle. Os fabricantes querem obter uma vantagem ao rotular os seus sistemas de ‘autónomos’ ou ‘semi-autónomos’, mas, ao mesmo tempo, alimentam a confusão entre os motoristas”.

piloto automático

Em busca da responsabilidade do setor

Parece, assim, que as autoridades estão a exigir uma estrutura regulatória que garanta mínimos em relação ao piloto automático. Embora o automóvel 100% autónomo ainda esteja longe de se materializar como veículo de produção de circulação comum, os níveis intermédios de condução autónoma estão quase a chegar.

Isso está patente nos anúncios de fabricantes como a Tesla. A empresa americana não apenas antecipou que em 2020 chegaria ao nível 4 de condução autónoma, como o seu próprio CEO, Elon Musk, a verbalizou, ressaltando que os condutores podem “adormecer ao volante enquanto o modelo guia para eles”.

Estas são apenas as situações que devem ser evitadas, segundo a visão do ETSC ou do Euro NCAP. A Volvo é outro fabricante com planos avançados para obter rapidamente a tecnologia consistente do piloto automático. O seu CEO, Hakan Samuelsson, é, todavia, muito mais contido que Elon Musk. Samuelsson acredita que os veículos com essas tecnologias não devem ser lançados antes do tempo ou representar um risco, pois podem corroer a confiança dos automobilistas e autoridades: “Temos uma responsabilidade que inclui todos os que estão neste negócio, porque, caso contrário, acabaremos a matar uma tecnologia que poderia ser a que salvou mais vidas em toda a história da indústria automóvel”.

O Euro NCAP insiste que mesmo os sistemas de assistência mais avançados precisam de supervisão obrigatória. Antes do advento da condução autónoma, parece ser imperativo resolver esse dilema que poderia ameaçar tanto a segurança dos condutores quanto a eficácia do carro autónomo em salvar vidas.

Fotos | iStock/Scharfsinn86iStock/DSCimage e iStock/Andrei Stanescu

--

Uma iniciativa da: