Dicas para conduzir com segurança: Ergonomia e posição ao volante

Duarte Paulo

21 July, 2020

Ajuste o banco e o volante, garantindo que consegue aceder aos comandos

Uma posição correta ao volante dá-nos um maior controlo, maior liberdade de movimentos e, portanto, conduzir com segurança um veículo. Dessa forma, o aparecimento de fadiga e sono serão retardados, bem como os efeitos negativos causados por distrações durante a condução.

Por outro lado, a postura correta permite que os elementos de segurança ativos e passivos do veículo funcionem adequadamente. No caso de um despiste, embate ou colisão, algumas lesões podem ser evitadas ou, no mínimo, reduzidas. No entanto, a condução segura começa com uma boa posição de condução. Saiba mais aqui.

Primeiro e ainda com o motor parado, devemos proceder a uma revisão e, se necessário, ajustes do banco, garantindo que conseguimos aceder aos comandos do veículo. Devemos também fazer um controlo visual das distâncias, identificando os limites exteriores do veículo e garantindo uma boa visibilidade para o exterior.

Para tal é essencial ajustar os retrovisores, quer o interno e quer os externos. Tudo isso permitirá reagir rapidamente a qualquer situação de risco ou emergência, como girar o volante, acionar o travão ou qualquer outra manobra evasiva, quer seja simples ou mais complexa.

A posição correta ao volante é essencial para conduzir com segurança

poscion volante

A colocação das mãos às nove e quinze ou dez e dez vai dar-nos maior velocidade ao realizar qualquer manobra

Depois de ajustar o banco e o volante (nesta ordem), não podemos esquecer a posição das mãos nos comandos e no volante do veículo. A regra de colocar as mãos às nove e quinze ou dez e dez nos dará maior agilidade para realizar qualquer manobra com o volante. Da mesma forma, o correto posicionamento das mãos vai proteger-nos de lesões nos pulsos e antebraços, acima de tudo, antes da ativação do airbag, localizado dentro do volante, como consequência de uma colisão ou impacto frontal do veículo.

Mas já que falamos sobre a posição e o movimento das mãos no volante. Vejamos o que nunca deve ser feito com o volante:
– Soltar o volante para que as rodas retornem à sua posição assim que a curva for concluída;
– Segurar o volante por dentro, por baixo ou pelos raios;
– Juntar as mãos no mesmo ponto ou cruzar as mãos no volante;
“Descansar” a mão direita na alavanca de velocidades (o único momento que a mão deve estar na alavanca é no momento em que efetuar a troca de velocidade);
– Colocar a mão esquerda na janela (vulgo “conduzir à taxista”), pois dificulta a movimentação e pode ser perigoso em caso de colisão ou saída lateral.

Posturas incorretas mais comuns

Posições incorretas são perigosas

Sentar-se incorretamente no banco do condutor (foto à esquerda, primeira fila acima) é uma das posições que apresenta mais inconveniência ao conduzir. Sentar-se muito esticado ou deitado perde força e prontidão ao executar manobras no volante. Pois no caso de um impacto frontal, pode causar lesões por transmissão do impacto pelos braços e, caso o embate seja mais forte, aumentam as hipóteses de lesões em toda a coluna.

Esta postura pode causar lesões cervicais devido à separação entre a cabeça e a projeção do airbag. No caso de se deitar no banco, a sensibilidade é perdida em relação à trajetória e movimento do veículo, pois ele não tem contato completo com o banco. Além disso, sentar-se excessivamente para trás ou deitar-se aumenta o risco de sofrer o efeito subaquático, ou seja, o deslizamento do corpo em direção ao espaço que existe sob o volante.

Mas sentar-se muito perto do volante e sem apoiar as costas (foto no topo direito) é a postura mais perigosa. Se estivermos muito próximos, reduzimos a capacidade de movimentação. Alguns movimentos serão muito pronunciados nos braços devido à falta de espaço suficiente entre o corpo e o volante. A capacidade de lidar com os controles é muito tensa e pode provocar contraturas musculares.

No caso de uma forte colisão frontal, se estivermos muito perto do volante, haverá o risco de ferimentos nos olhos causados pelo acionamento do airbag. No caso de um embate traseiro, o impacto contra o apoio de cabeça e depois contra o volante pode causar ferimentos no rosto devido ao efeito ricochete. Por outro lado, se, além de estar muito perto do volante, ficarmos sem apoiar as costas, a postura tem a desvantagem de que, ao ser separada do assento e segurando o próprio corpo, perde a sensibilidade.

…e ainda a altura do banco

Sentar-se com o volante muito alto ou muito baixo (fotos na segunda linha acima) pode ser um motivo para uma aderência inadequada no volante. As mãos podem colidir com as pernas (ou o contrário) em determinadas manobras. O problema de sentar-se muito baixo em relação ao para-brisa dianteiro do veículo é que há uma perda de campo de visão. Quanto mais difícil a visão, mais tempo o nosso cérebro terá para processar os dados e os possíveis perigos que capturamos através da visão.

Se ficarmos sentados muito baixos ao volante, teremos que fazer força excessiva para levantar constantemente o pescoço para ver o tráfego e, consequentemente, pode favorecer o aparecimento de contraturas cervicais devido a fortes acelerações ou desacelerações durante a condução. Se estivermos sentados muito altos, reduzimos a distância do assento até o teto do veículo e, consequentemente, podemos sofrer ferimentos na cabeça e no pescoço devido a uma elevação repentina devido a um salto ou após uma colisão frontal. Siga as dicas para conduzir com segurança.

Original | Victoriano Flores Corzo
Fotos | Circula Seguro

--

Uma iniciativa da: