Até que ponto a condução autónoma nos ajudaria com o coronavírus?

Duarte Paulo

19 May, 2020

A crise do coronavírus (Covid-19) causou um autêntico terramoto em todo o mundo. Está a danificar as bases da nossa sociedade. A mobilidade, em todas as suas áreas, não é poupada, como mostra a redução do tráfego rodoviário. Assim como as emissões e a atividade industrial caíram.

O setor do transporte sofreu um impacto e, ao mesmo tempo, tornou-se um instrumento necessário para combater o vírus. Assim, perguntamo-nos como é que as tecnologias de condução autónoma teriam contribuído nesta luta.

Embora promissor, o carro autónomo ainda está numa fase prematura. Essa evolução pode ser medida pelos seis níveis escalonados pelos especialistas nesta matéria, que pode consultar aqui.

Os fabricantes já possuem protótipos diferentes, capazes de se conduzir sozinhos. Muitos testes e experiências foram realizados em todo o mundo. Além disso, todos concordam que os benefícios para a segurança rodoviária serão históricos.

Porque é que ainda estamos longe de conseguir uma condução autónoma? O motivo é que envolve muitos outros fatores além da melhoria dos sistemas do veículo. Como a efetivação de uma infraestrutura de conetividade que garanta a segurança e seus sucessos futuros ou o estabelecimento de uma estrutura legal.

Coronavírus e condução autónoma: como estão ligados?

Conceito do sistema de condução autónoma.

O coronavírus e a condução autónoma afetam-se um ao outro? No panorama atual, a incerteza reina. E há prioridades de saúde que devem ser respondidas mais cedo e com maior urgência.

Neste caos, a grande maioria das empresas congelou os seus projetos e programas relacionados com o carro autónomo. No entanto, também surgiram casos em que, nessa situação de emergência sanitária, veículos autónomos continuaram  a ser testados.

Estamos a ver isso na Ásia, onde o pior desta primeira onda da pandemia parece ter passado. O carro autónomo, em conjunto com as outras soluções que envolvem algum tipo de inteligência robótica, começaram a provar o seu valor ao contribuir com o combate ao vírus.

O que o carro autónomo pode fazer contra a Covid-19?

Se a COVID-19 restringir e limitar a mobilidade, o carro autónomo pode ser uma solução para manter certos serviços de transporte, como comerciais e de mercadorias, sem risco de contágio.

Isso está a ser comprovado pela startup chinesa Neolix, que possui diferentes versões de um pequeno furgão urbano e autónomo no seu catálogo. Longe de interromper a sua atividade, a empresa aumentou sua procura para níveis recorde.

Se em 2019 fabricaram 125 unidades do veículo, a nova relação entre coronavírus e condução autónoma levou a aumentar a produção nas últimas semanas para 200 unidades. Os veículos Neolix já foram usados para desinfeção, ou entrega de medicamentos aos hospitais de Wuhan. A empresa planeia atingir 100.000 unidades nos próximos cinco anos. Fornecedores que desenvolvem veículos semelhantes para a Amazon querem seguir o mesmo caminho.

O motivo é a utilidade demonstrada pela condução autónoma para cobrir, por exemplo, a distribuição de necessidades básicas. Não teriam apenas maiores garantias para o fornecimento de produtos, mas fá-lo-iam sem colocar qualquer pessoa em risco de contágio.

Uma mão robótica para transporte e saúde

A mesma filosofia pode ser aplicada a todos os veículos que desempenham um papel fundamental durante a crise, como transporte por razões sanitárias, transporte público essencial (especialmente táxis e substitutos) ou serviços de limpeza e desinfeção.

Se falarmos de um cenário de condução totalmente autónomo, a infraestrutura necessária para sua existência serviria para monitorizar a deslocação afim de evitar riscos desnecessários. Obviamente, essa última funcionalidade não seria desprovida de um grande fardo moral e da necessidade de regulamentação específica.

As pessoas entendem que, em teoria, os veículos autónomos reduzirão a propagação do contágio, permitindo um maior grau de distanciamento social.

Coronavírus e a condução autónoma

É isso que o CEO da startup Tactile Mobility (anteriormente conhecida como MobiWize), Amit Nisenbaum, destaca. Segundo ele, as empresas estão desenvolvendo soluções e guias para manutenção, limpeza e desinfeção. As tecnologias de condução autónoma são capazes de realizar todas essas tarefas, reduzindo a exposição humana.

Por esse motivo, embora o coronavírus e a condução autónoma tenham iniciado um relacionamento que parece muito distante, nos próximos meses ele poderá se firmar com fórmulas que nos ajudam a superar futuros surtos dessa doença ou algo semelhante.

Esse tipo de progresso ainda é um elemento perturbador que afeta outras áreas, como a dos táxis. No entanto, não há dúvida de que, a longo prazo, contribuirão, não apenas para salvar vidas na estrada, mas também para que estejamos mais bem preparados para os desafios da magnitude da Covid19.

Original | Jaime Ramos

Fotos | Gabuchan e iStock / Denis Soko

--

Uma iniciativa da: